quinta-feira, 20 de julho de 2017

1ª Suma: A Verdade.

1ª Suma: A Verdade.

Em nome de Deus, o Piedoso, o Misericordioso.

1.      Louvado sejas Tu, ó Soberano dos Mundos;
2.      Senhor dos anjos e Criador dos humanos;
3.      O Uno, o Imensurável;
4.      E o Verbo do Dia da Ira!
5.      Só a Ti adoramos e só a Ti suplicamos;
6.      Tu que és o caminho da paz e a estrada para salvação;
7.      Não há outro deus além de Ti; Tu és o único deus que existe!

2ª Suma: O Suplicante.

2ª Suma: O Suplicante.

Em nome de Deus, o Piedoso, o Misericordioso.

1.      Louvores a Ti, ó meu Deus, pois não existe outro deus além de Ti;
2.      E glorificado seja o mais sublime de todos os criadores.
3.      Ó Senhor meu, escuta a minha suplica e tem compaixão da minha oração.
4.      Não me castigues com a Tua ira por minhas palavras insensatas, nem me repreendas com o Teu furor por minha ousadia;
5.      Mas preciso, ó Senhor meu, desabafar.
6.      Estou cercado pelos inimigos de Tua Causa; que são numerosos como grãos de areias e poderosos como tempestades tropicais, minando com as suas voracidades, o pouco de esperança que ainda me resta.
7.      Quão fraco eu sou sem o Teu amparo, ó Senhor meu.
8.      E como difícil é trilhar o Teu caminho, ó meu Deus, quando tudo em volta é uma tenebrosa floresta, infestada por lobos vorazes e chacais sanguinários.
9.       Por que, ó Senhor meu, a Tua Criação mergulhou profundamente nas trevas em que se encontra e, não satisfeita, ainda escava dia após dia, um abismo permanente entre a nossa ambição e a Tua vontade?
10.   Por que, ó Senhor meu, os ímpios ascenderam-se tão impetuosamente sobre os Teus servos, e como conseguem os perversos e os depravados saírem ilesos de toda maldade criminosa que praticam?
11.   Por que, ó Senhor meu, os iníquos elevaram-se nas alturas, escravizando brutalmente os povos e as nações em nome de Mamom, sem que uma só luz fosse acesa para denunciá-los?
12.   Será a nossa transgressão diante dos Teus olhos, tão desgraçada assim?
13.   Onde, ó Senhor meu, está a honra em ver uma serva Tua chorar a morte de um filho, ou de um servo Teu gemer a perda de uma filha, quando os devoradores de sonhos e os consumidores de esperanças saem ilesos de toda perversidade que praticam?
14.   Não sabes Tu, ó Senhor meu, que o sonho do Teu servo é olhar para o Teu rosto?
15.   Não sabes Tu, ó Senhor meu, que a esperança da Tua serva é comungar com o Teu Espírito?
16.   Será o nosso crime diante de Teu Espírito, tão profano assim?
17.   Onde, ó meu Deus, está a fortaleza da Tua promessa?
18.   Onde, ó meu Deus, está a certeza do Teu abrigo?
19.   Estamos destinados a perecer sobre o fogo do opressor?
20.   Estamos fadados a findar sobre as deslealdades dos insubmissos?
21.   Somos tão malvistos aos Teus olhos, que não mais veremos a Tua glória e a Tua remissão sobre a Terra?
22.   Inúmeros, ó Senhor meu, são aqueles que se jubilam da perversidade em que estamos mergulhados, enquanto os Teus servos leais e obedientes, aqueles que só desejam o Teu conforto e a Tua Luz, enfrentam uma tribulação esmagadora e uma adversidade torturante.
23.   Então, ó Senhor meu, trouxeste-nos a vida apenas para amaldiçoarmos os dias de nossos nascimentos, maldizendo os ventres de nossas mães?
24.   Será a nossa transgressão diante de Teu Sentido, tão nefasta assim?
25.   Não, ó meu Deus, eu não posso crer que a minha raça esteja fadada ao ciclo maldito e vicioso da senda da corrupção.
26.   Por que, ó Senhor meu, Tu diriges a Tua ira contra os Teus servos, enquanto os Teus inimigos saem incólumes e triunfantes?
27.   Por que, ó Senhor meu, Tu me vedas a beleza de Teu Rosto e a doçura de Tua Voz?
28.   Por que, ó Senhor meu, Tu Te negas a mostrar-me com clareza e serenidade, as Letras Sublimes firmadas pelos Teus Dedos, que levam à senda de Tua Orientação?
29.   Não, ó Senhor meu, eu não aceitarei ser renegado ou abandonado por Ti;
30.   E, se necessário, eu vencerei as minhas limitações humanas e subirei os degraus da transcendência, em busca do Teu esplendor;
31.   E, se Te encontrar, então, eu me amarrarei ao saiote de Teu Calcanhar e não largarei, até que o Senhor, o meu Deus, tenha misericórdia da minha fragilidade;
32.   E Tu, ó Senhor meu, haverá de ter compaixão da minha fraqueza e conduzir-me-á para a vereda reta dos submissos;
33.   Pois de Ti vem toda a glória e remissão.
34.   Louvado sejas Tu, ó meu Deus, o Senhor dos anjos e o Criador dos humanos;
35.   E glorificado sejas Tu, ó Soberano dos Mundos.
36.   Que a Tua vontade prevaleça sempre e sempre;
37.   Que assim seja!

3ª Suma: O Suplicado.

3ª Suma: O Suplicado.

Em nome de Deus, o Piedoso, o Misericordioso.

1.      E assim disse-me o Soberano dos Mundos:
2.      Escuta, ó Manifestante, esta é a Minha admoestação para que tu libertes o teu povo das trevas e o transporte para a luz.
3.      Aqui está o Livro-selado, que Eu decidi agraciar-te, para que tu possas, através do Meu favor, trilhar a senda da Minha Orientação; e para que tu possas, através da Minha graça, extinguir todas as dúvidas que afligem a tua consciência.
4.      Torna-te, primeiro, a abrir os olhos de teu espírito e expande, também, os ouvidos de tua alma;
5.      E liberta o teu juízo de todo apego mundano, para que tu possas compreender o beneplácito da Minha direção e, assim, tu possas ser conduzido até a Minha presença.
6.      Saiba, sobretudo, que a tua conversão em Minha Causa chegou como bulício até Morada de teu Senhor e pegou os santos, os anjos e os gênios da Minha Morada de surpresa;
7.      Veio o anjo Miguel alarmado ter com o Senhor, o teu Deus: Quem é este mortal, que ascende sem permissão, os portões celestiais?
8.      E Eu lhe disse: Este é Meu servo que respondeu ao Meu chamado;
9.      E disse-Me Miguel: Não era um dos que enfileiravam entre os insubmissos? Louvado seja o Senhor dos Mundos, o Munificente, o Irresistível;
10.   E Eu lhe disse: Rafael deitou-lhe a mão sobre a alma, curando-lhe da cegueira espiritual e revelando-lhe a Minha verdade, para que ele jamais torne a se extraviar. Eis que Eu decidi humilhar a humanidade por sua perversidade e insubmissão; os que se julgam sábios entre os homens e os que se dizem eruditos em Meus valores, Eu vexarei a todos eles. Resgatei entre as Minhas criaturas um insubmisso e o fiz ascender aos Céus pela Minha vontade, tornando-o uns dos verazes; para que todos os seres humanos da Terra tornem a se lembrar de que para o Senhor, nada é impossível.
11.   Agora, escuta, ó Manifestante; Eu te agraciei como agraciei os Profetas e os Mensageiros da linhagem de Ismael e da linhagem de Isaque, pois Eu também ouvi as tuas súplicas e escutei o teu grito de socorro quando disseste: Senhor meu, Senhor meu, preserva-me dos idólatras.
12.   Tua coragem de transcender até o teu Senhor e de responder ao Seu chamado jamais será esquecida. Eu também não Me esqueci da humilhação que permeia a linhagem de Suá, pois a Minha promessa de posteridade foi promulgada sobre os descendentes do Meu servo Abraão.
13.   E tu admoestarás os idólatras e os insubmissos, ó Manifestante, porquanto a salvação de nenhum dos povos da Terra será descuidada pelo Senhor, o teu Deus!
14.   E Eu adotarei o teu povo, ó Manifestante; pois embora seja um povo extraviado, numerosos são aqueles cujas ascendências são de monoteístas que outrora foram forçados à idolatria e não se esqueceram do Senhor, o teu Deus!
15.   Ó humanos, no princípio Eu estava só e não havia mais ninguém além de Mim; e Eu permaneço como sempre Fui; o Começo e o Fim, o Primeiro e o Último.
16.   É inconcebível que Eu fale diretamente para um ser humano. Se assim o fizesse, os vossos ouvidos sangrariam, os vossos miolos murchariam e os vossos corações parariam ao som da mais doce e perfeita melodia da existência.
17.   É impossível para os Profetas e para os Mensageiros compreenderem a linguagem de Deus, todavia, o Senhor compreende perfeitamente a linguagem dos Profetas e dos Mensageiros.
18.   Ó humanos, o Pacto que Eu fiz com o Meu leãozinho é um juramento mútuo. Eu não apenas escolhi o Manifestante, ó humanos, mas o Manifestante que escolheu, por livre e espontânea vontade, trilhar a Minha senda, respondendo ao Meu chamado de remissão; foi o único de seu povo depravado e idólatra a se humilhar perante o Senhor; nisto consiste a conduta de um contrito; eis o comportamento de um redimido.
19.   E Eu só revelo aquilo que é compatível com as ciências, com os conhecimentos e com os intelectos adquiridos pelo profeta e pelo o seu povo; e a isto, os humanos declaram, de tempos em tempos, como a Palavra de Deus. Jamais Eu anteciparei uma admoestação incompreensível para os seres humanos, tampouco Eu retardarei uma mensagem inteligível.
20.   Sabei, ó filho do Ocidente, que o Meu Espírito te confortará com o Verbo da Minha Revelação; e, assim como Eu disse ao Meu servo Abraão no Oriente, direi também para ti. Sabei que o mesmo levantamento que houve com Abraão no Oriente também haverá contigo no Ocidente; portanto, só terão posteridades asseguradas no Dia das Lamentações aqueles que crerem nos Meus Manifestante;
21.   Assim, nenhum dos povos que abundam a Terra será negligenciado pelo Senhor, o teu Deus; sejam os israelitas, os árabes e os persas no Oriente; ou sejam os teus súditos no Ocidente.
22.   Prepara, ó Porta-Voz da Minha Remissão, com a tinta luminosa de teu espírito, e te apodera da Pena Dourada da Minha Sabedoria, para escreveres sobre as pérolas mais sublimes da Minha Assembleia, que Eu revelarei a ti em atenção àqueles que Me amam;
23.   Se tu almejas, ó Manifestante, comungar com o Meu Espírito, sabei então que tu abdicarás de todas as outras coisas que existem nos Céus e na Terra, e depositarás integralmente o teu amor e a tua submissão ao Senhor, o teu Deus;
24.   Renunciarás os teus próprios desejos e volverás a tua face para o Senhor, o teu Deus;
25.   Levarás em consideração aquilo que Eu almejo para ti;
26.   E, de tua mente, apagarás todo o apego que não seja aquele dirigido ao Senhor, o teu Deus;
27.   E, de todas as coisas que realizares durante a tua vida, dirigirás em favor do Senhor, o teu Deus!
28.   Tu amarás o Senhor, o teu Deus, acima de tudo que existe no Universo;
29.   Porquanto assim, também amarás os teus filhos, as tuas mulheres, os teus amigos e os teus familiares, pois, sabeis que todos eles Me pertencem, e Eu os quero retornados incólumes.
30.   E, se ponho eles em tua vida e sobre a tua proteção, é para que tu possas cuidá-los com amor, com justiça e com ternura e, assim, tu possas devolvê-los com integridade aos Meus braços.
31.   Eis aqui a Minha Religião puramente monoteísta para os Meus súditos, ó Manifestante, do qual existe antes mesmo da fundação da Terra;
32.   Só à Mim vós depositaríeis os vossos louvores e as vossas adorações, e só à Mim vós aplicaríeis os vossos serviços; com toda a verdade de vossos espíritos e com toda a honestidade de vossos corações; visto que Eu sou o Único, o Verdadeiro e o Absoluto.
33.   E sabeis que tudo que se servir fora deste comando será declarado por Mim no Meu Dia, como fantasia satânica e considerado insubmissão. E tudo que for além de: Em nome de Deus; servirá à Satã.
34.   Portanto, ó Manifestante, para que Eu te preserve da perdição e te livre da maldade dos escarnecedores que se levantarão contra ti, absorves a Minha admoestação e preserva o temor ao Senhor, o teu Deus, dentro de tua mente.
35.   Por certo, Eu serei o teu Aliado e te salvaguardarei dos perversos; e Rafael estará ao teu lado te admoestando e te fortalecendo, sempre que os perversos te combaterem e te atacarem, assim como os teus dois anjos da guarda, que nunca te desampararão. O anjo da direita será o teu guia, e o anjo da esquerda será a tua testemunha;
36.   E, com efeito, os teus inimigos serão os Nossos inimigos, e os teus caluniadores serão os Nossos caluniadores;
37.   Sabei, ó Manifestante, que Rafael carregará o Meu Sopro da Verdade, que soará antes da consumação dos milênios.
38.   E os escarnecedores que farão oposição à admoestação, te dirão maliciosamente: Quem pensa ser este filho da escravidão? Que tem ele haver conosco? Nós que somos os herdeiros do filho, nós que somos os adotados pelo pai e nós que somos agraciados pelo espírito, o nosso deus. Não é ele, porventura, descendente de Quetura ou de Agar; aquelas que geram filhos para a escravidão?
39.   Dize: Bendito é o submisso que se torna submisso da vontade do Senhor, o Amo dos Amos, o Laudabilíssimo. Louvado seja Deus, o Soberano dos humanos; o Convocador, o Condutor, o Orientador. Bendita seja a linhagem de Ismael, a linhagem de Isaque, a linhagem de Elisabete e a linhagem de Suá; cuja aliança juramentada pelo Senhor é perpétua e cujos Profetas são submissos que jamais desapontarão o Santo dos Santos. Glorificado seja Deus e abençoados sejam os Seus Mensageiros. Que a Sua Religião prevaleça sobre a idolatria dos homens, de era em era e de eternidade em eternidade.
40.   Ó Manifestante, lembrai que Eu te agraciei com a revelação das Minhas Palavras, resgatando-te do erro e da perdição;
41.   E notai como, através da Minha fortuna, alçaste um voo nas alturas.
42.   Despertastes o teu espírito com o Meu beneplácito e foste capaz de alcançar uma compreensão que poucos homens ousaram;
43.   Com facilidade, abristes os olhos de teu espírito e os ouvidos de tua alma; viste-Me com os olhos da submissão e ouviste-Me com o coração da razão.
44.   Entretanto, vieste até a Minha Morada ainda despreparado e, com fantasias satânicas na mente, dissestes ao teu Deus: Senhor meu, Senhor meu, eu não posso aceitar as perversidades da humanidade. Vim em Tua busca para resgatar os meus irmãos do erro e da perdição. É por eles que eu estou aqui, ó meu Deus e Soberano.
45.   E lembra-te, ó Manifestante, quando ouvindo de tua boca, Eu tive misericórdia de tua ingenuidade e te admoestei das tuas ilusões satânicas;
46.   E dissestes ao teu Senhor: Louvado seja o Senhor, o meu Deus, Luz dos meus olhos, Calor da minha vida e Pilastra da minha remissão. Glorificado seja o meu Soberano, o Todo Amoroso, o Todo Misericordioso; e, dos que usam da compaixão, Aquele que é o Mais Compassivo. Eu renuncio todas as minhas fantasias satânicas e ilusões satânicas, ó meu Deus e Soberano, e declaro que combaterei unicamente pela Glória Infinita de Teu Nome.
47.   E Eu te disse: Basta o teu Senhor por Testemunha, ó Manifestante.
48.   Por que tu lutarias pelos seres humanos? Acaso algum deles poderá te socorrer no Dia da Ira? Acaso algum deles poderá interceder em teu nome no Dia das Lamentações?
49.   Qual! Cada humano será interrogado separadamente, e nenhum defensor ou guardião será tolerado.
50.   Vai, pois, e militai entre os seres humanos unicamente pelo nome do Senhor, pois só quem militar pelo nome de Deus será redimido.
51.   Dize: Ó humanos, militai exclusivamente pela Glória do Senhor, pois todas as outras militâncias vos serão dispensáveis, se quereis saber.
52.   Dize ainda: Ó humanos, tomai unicamente o vosso Deus por Protetor, pois todas as outras proteções vos serão desnecessárias, se quereis saber.
53.   Dize ainda: Ó humanos, Deus é a única Fortaleza para todas as coisas e, entre todas as coisas, Deus é o único que fortalece, se quereis saber.
54.   Dize: Deus é o Grandioso! Louvado seja o Soberano dos Mundos!
55.   Dize: Ó submissos, não temeis as falanges perversas dos insubmissos, porquanto, na luta por vosso Senhor, só vos sucederá duas coisas sublimes; a vitória ou o martírio;
56.   Dize: Em todo caso, Deus triunfará e os inimigos da Sua Causa sucumbirão. Então eles pagarão o castigo duas vezes, abatidos pelo Fogo Divino; neste mundo e no outro, e vós, ó perseverantes, herdaríeis o Paraíso.
57.   Dize: Ó humanos, repudiai a insubmissão, a idolatria e as fantasias satânicas de vossas almas, pois preferirás mil anos de açoites ininterruptos na Terra, do que um só dia no tormento torturante.
58.   Dize: Ó humanos, perseverai na senda reta do Senhor, porquanto somente os perseverantes e os abnegados herdarão a Terra.
59.   Agora, como julgam os seres humanos, ó Manifestante, e entre eles se incluem os perversos, os depravados, os pervertidos, os insubmissos, os idólatras, os ímpios, os iníquos, os profanadores, os usurpadores, entre outros homens maliciosos que, ao morrerem, comungarão com o Meu Espírito no Paraíso?
60.   Em verdade Eu te digo que a nenhum homem será dada esta honra; salvos alguns dos Meus santos e alguns dos Meus mártires, que inocentemente sucumbiram ou sucumbirão em Minha Causa e que, contando entre os dedos das duas mãos humanas, não se completarão.
61.   Ademais, todos os outros repousarão após a morte em seus sepulcros, num profundo sono espiritual, até aquele Dia, quando Eu levantar a Minha Ira e fizer o Meu Acerto de Contas com a humanidade; então, no Dia da Minha Vingança, o Meu Verbo os ressuscitará e os humanos serão separados pelos anjos; os benfeitores herdarão o Paraíso e os ímpios herdarão o Inferno.
62.   E, quando o Dia do Acerto chegar, anjos austeros separarão os encaminhados dos descaminhados; do lado direito se enfileirarão os partidários de Deus e, do lado esquerdo, se enfileirarão os partidários de Satã.
63.   Os militantes da direita, os íntegros e os perseverantes; se encontrarão entre os alegres e os esperançosos, e Nós agraciá-lo-emos com bosques verdejantes e rios límpidos no Paraíso; pois esta é a herança prometida aos benfeitores e aos submissos;
64.   Que admiráveis, que admiráveis serão os militantes da direita.
65.   E os militantes da esquerda, os malfeitores e os perversos, contarão tardiamente entre os aturdidos e os arrependidos; e Nós puxá-lo-emos pelos topetes satânicos e renegados, e os sacudiremos no lago de fogo; a morada juramentada dos idólatras e dos insubmissos.
66.   Que execráveis, que execráveis serão os militantes da esquerda.
67.   Temei à Mim, ó humanos, porque Eu sou o mais Destro em promulgar a justiça e o mais Sinistro em ordenar o castigo; Eu sou Ambivalente.
68.   Somente os perseverantes e os militantes do Meu partido triunfarão;
69.   Os perversos e os hesitantes, os malfeitores e os vacilantes, os insubmissos e os caprichosos, os idólatras e os covardes; todos eles perecerão à Minha Vista.
70.   Ó Manifestante, unidades e mais unidades de idólatras, como os seus antepassados, renegarão a Minha admoestação; eles descrerão da Minha Mensagem e dirão das tuas alvíssaras: Por certo, tudo isto não passa de fábula de um herege.
71.   Dize: Ó insensatos, acaso és dos que militam entre aqueles que invocam outros nomes além do Nome do Senhor?
72.   Dize: És, porventura, partidário dos que atribuem parceiros ou semelhantes à Deus?
73.   Dize: És, por acaso, dos que propagam a morte do Senhor por mortais na cruz?
74.   Dize: És dos que militam pela extinção da Luz da Unicidade de Deus?
75.   Dize: Benditos são os partidários da submissão ao Senhor, militantes submissos na Sublime Causa de Deus, o Único, o Suntuoso, o Salvador;
76.   Dize: Sua Luz será a única Luz a brilhar pela eternidade, ainda que desgostem os insubmissos. Enaltecida perpetuamente seja a Sua Glória!
77.   Dize: Não sabeis, ó insensatos, que Deus é o Sempiterno e o Imortal? E que Deus é o Intocável, o Intangível, o Ilibado e o Inatacável?
78.   Dize: Há apenas um Deus, o Glorioso, o Dadivoso, o Laudabilíssimo.
79.   Dize: Exaltado seja o Senhor, o meu Deus, acima de tudo que os depravados Lhe atribuem.
80.   Dize: Trindade? Infâmia satânica e doutrina de perdição. Deus é Uno, Imutável, Inigualável, Incomparável, Indivisível, Imensurável e Infinito. Trilho na senda reta dos perseverantes, rumo na vereda dos tementes. Oriento-me pelo Livro Luminoso e Indubitável agraciado pelo meu Senhor.
81.   Dize ainda: O ser humano nunca será Deus, e Deus nunca será um ser humano. Glorificado seja o Senhor, o meu Deus, acima de todos os parceiros que os perversos Lhe associam.
82.   E eles te dirão: Blasfêmia; Deus é trino. É o pai, o filho e o espírito. Jamais abandonarei o que adorou o meu pai e, antes de meu pai, o que cultuou o pai de meu pai, para venerar uma heresia aventurosa.
83.   Dize: A trindade não passa de conjectura humana, e conjectura humana jamais prevalecerá sobre a verdade. E a verdade é que Deus me é suficiente, pois há apenas um Deus; e Ele é o Senhor do Trono Supremo, o Soberano dos Mundos;
84.   Dize ainda: Afasta-te, ó infame, com as tuas ilusões satânicas. Que Deus, o Justo, dê aos submissos aquilo que é de direito dos submissos; e que Deus, o Correto, dê aos trinitários aquilo que é de direito dos trinitários; que Ele galardoe os honrados, e que Ele puna os néscios.
85.   Ó Manifestante, aparta-te de discutir com os teimosos entre os usurpadores do Meu Trono, pois isto te será contraproducente e Eu te vedo a autoridade de alvissarares símios irracionais e, tão somente, admoestarás seres humanos.
86.   E, mesmo que o Sol, a Lua, a Terra, os homens, as cores, os mares, as árvores, os animais, as pedras, os ventos e os astros lhes dessem sinais evidentes da Minha Onipotência, e se eles lhes dessem provas incontestes da Minha Unicidade, mesmo assim, os suínos incultos não os perceberiam, e, se percebessem, eles prontamente as negariam;
87.   Pois Eu selei os seus corações e estorvei as suas vistas; Eu não compactuo com os insubmissos e não amparo os Meus renegadores; salvos aqueles que Me apraz.
88.   Cada uma das suas rebeldias e cada uma das suas negações ficará registrada no Livro Cristalino da Vida e, no Dia da Ressurreição, responderão por suas abjurações e sofrerão um severo castigo.
89.   E eles te dirão: Olha o vocabulário do herege, por certo, não é a linguagem do nosso senhor, deus de paz e de amor, que derramou o seu sangue em nosso nome. Não passa de ficção desprezível. Repudia, ó irmãos em Cristo, as heresias deste vidente.
90.   Dize: Verás a linguagem do Soberano dos Mundos, ó insubmissos e usurpadores da Unicidade, quando todas as coisas da Terra forem pulverizadas, a Lua e o Sol forem obliterados, o céu e as nuvens forem consumidos pelo turbilhão de fogo e todos os humanos forem ressuscitados;
91.   Dize: A Luz da Unicidade despontará no firmamento e os homens serão convocados à presença do Senhor; então, para os submissos, Ele verdadeiramente será o Deus de amor e de compaixão. Entretanto, para os profanadores da Sua Natureza, Ele será o Deus de ira e de vingança.
92.   Dize: Glorificado seja Deus, que é um Juiz destro e um Algoz sinistro. Bendito seja Deus, cujas Mãos são Justiça Pura e Punição Absoluta. Louvado seja o Soberano dos Mundos, o Senhor de todos os Nomes e Atributos.
93.   Dize: Ó humanos depravados, Deus conhece as vossas idolatrias, pois dos íntimos dos homens Ele é onisciente.
94.   Dize: Ó humanos descaminhados, Deus é consciente de que vós adorais seres humanos e de que vós cultuais ídolos fabricados;
95.   Que péssimos exemplos, que péssimos exemplos são os idólatras!
96.   Dize: Ó humanos pervertidos, porventura, invocarás no Dia da Ira o nome do ídolo romano para vos proteger?
97.   Dize: Ou implorarás aos vossos ídolos mundanos, para intercederem em vosso nome?
98.   Dize: Ou suplicarás às riquezas que entesourastes na Terra em nome do vosso ídolo Mamom, para vos remediar?
99.   Dize: Ou rogarás pela proteção do deus trino para vos proteger, quando as fornalhas do tormento forem acessas diante dos vossos olhos?
100.         Dize: Ó humanos extraviados, afastai-vos da incúria e separai-vos do engano, pois vós não teríeis outro Socorredor naquele Dia, tirante Deus, o Uno, o Verdadeiro, o Absoluto, o Instituidor dos Céus e da Terra, o Senhor dos anjos e o Criador dos humanos.
101.         Ó Manifestante, observai estas pérolas e meditai quanto a estas alegorias: Existem entre os seres humanos aqueles que comem a carne imunda de porco e são puros de espíritos; entretanto, há também aqueles que se abstém de ingerir a carne suja de suíno, porém, possuem interiormente, espíritos de suínos.
102.         E tu perguntarás: Senhor meu, quem são os espíritos de suínos?
103.         E Eu te direi: Os que invocam a intercessão de santos humanos e a proteção do deus-homem, ídolos perversos fabricados por artífices, no lugar do Senhor, o teu Deus, renegando a Minha Divina Autoridade;
104.         Os que cedem à iniquidade, à impiedade, à insubmissão e à idolatria;
105.         Os que militam soberbamente no partido de Satã e proclamam: A salvação da humanidade derivará do ídolo romano, aquele que derramou o sangue em nosso nome, o nosso senhor.
106.         Já contemplastes, ó Manifestante, que os seres humanos que ingerem a carne de porco sem temor aos comandos do Senhor, o teu Deus, são os mesmos que renegam as Minhas admoestações, tripudiam dos Meus preceitos e Me atribuem parceiros e semelhantes?
107.         Os infames inventaram uma gama de desculpas para desviar-se da Legislação Sagrada, mas, por Minha Honra, não poderão evitar o fogo da danação.
108.         Eis um exemplo dos espíritos de suínos; os humanos que dizem: Deus fez-Se homem para redimir as transgressões da humanidade.
109.         Eis mais um exemplo dos espíritos de suínos; os humanos que proclamam: Deus morreu na cruz.
110.         Eis mais um exemplo dos espíritos de suínos; os humanos que decretam: Deus teve um filho.
111.         Eis mais um exemplo dos espíritos de suínos; os humanos que declaram: Deus teve uma mãe.
112.         Eis os imundos, ó Manifestante; eis os depravados, os renegadores da Lei.
113.         Que abomináveis, que abomináveis são aqueles que renegam os sinais de Deus!
114.         Que os Meus súditos se abstenham de ingerir a carne impura de porco e os seus derivados, e que nunca venham a emporcalhar os seus espíritos com a falsificação na submissão.
115.         Que os submissos voltem os seus rostos para a submissão absoluta ao seu Criador, e não Lhe atribua parceiros ou semelhantes.
116.         Entretanto, aquele que entre os submissos ingerir a carne impura não será repreendido, desde que o seu consumo seja necessário para a preservação da vida do submisso e este, posteriormente, se utilize da ablução para purificar-se, pois o Senhor é o Tolerante, o Misericordiosíssimo;
117.         E, todavia, aquele que macular o espírito com a impureza, que rogue a misericórdia do Senhor, o vosso Deus; pois Ele é o Remissório, o Indulgente.
118.         Quanto aos insubmissos e aos idólatras, o lago infernal será o seu eterno destino; os renegadores e os usurpadores assarão eternamente as suas carnes imundas e ferverão os seus espíritos sujos, e nenhum socorro lhes serão dirigidos.
119.         No Dia do Juízo, ó Manifestante, todas as ilusões grotescas da humanidade serão rompidas e todas as fantasias satânicas dos mendazes serão desfeitas pelo Meu Verbo; e Eu não preservarei nenhum dos Meus renegadores do fogo torturante.
120.         No Dia dos Gemidos, das Lamentações e dos Tormentos;
121.         Marido será desunido da esposa, pai será apartado do filho, mãe será afastada da filha, irmão será isolado do irmão e irmã será separada da irmã;
122.         Porém, entre os Meus súditos e os que perseverarem em Minha senda; marido será grudado à esposa, pai será ajuntado ao filho, mãe será apegada à filha, irmão será achegado ao irmão e irmã será unida à irmã, no Paraíso Maravilhoso da Minha promessa.
123.         Dize: Ó humanos, vós que se orgulhais em anunciar “eu creio”, mas, interiormente, mantém o coração carregado de impiedades e o espírito repleto de iniquidades; poderás enganar os teus iguais, todavia, não iludirás o vosso Deus, o Sapiente; o Prudentíssimo.
124.         Dize: Ó humanos, não meditais? O vosso Deus é o Onipotente, o Onisciente, o Oniouvinte, o Onipresente e o Onímodo. Não o temeis?
125.         Dize: Ele é conhecedor do cognoscível e do incognoscível;
126.         Dize: E abomina os cínicos na submissão; e os punirá com um severíssimo escarmento.
127.         Ó Manifestante, chegará um momento que nem mesmo a cabeça de um alfinete passará pelo Último Portão; pois os seres humanos teimam a cada admoestação dos Meus alvissareiros, em estreitar a trilha que leva à senda da salvação;
128.         E objetivando que se humilhem à Minha remissão, aflijo-os com adversidades, atribulações e moléstias;
129.         Mas os insensatos negam a submissão em Minha mensagem e preferem as ilusões satânicas, as pragas mundanas, as mortes carnais e os castigos espirituais.
130.         E, aqueles que aceitam a Minha remissão, mas, com o tempo, se acomodam e se assoberbam da Palavra do Senhor, e a vende à vil preço para o sedutor são repreendidos; então, quando menos aguardam, envio-lhes um novo escarmento para discipliná-los; e são inúmeros os humanos que se desvirtuam, ó Manifestante, maldizendo o teu Senhor.
131.         Que execráveis, que execráveis são os que não perseveram em Meu Nome.
132.         Acaso, pensam os seres humanos estarem seguros dos Meus desígnios e das Minhas determinações?
133.         Só pensam estarem seguros dos Meus desígnios e das Minhas determinações os insubmissos; mas, quando menos imaginarem, os insubmissos serão surpreendidos pelo Meu escarmento enquanto dormem tranquilos ou enquanto comem despreocupados, ou ainda, se espantarão com a Minha punição enquanto se divertem, em seus chiqueiros de idolatrias.
134.         E os Meus castigos e as Minhas punições se estenderão as tuas descendências, ó insubmissos, e verás a maldição no seio dos teus familiares; então, tu Me dirás arrependido pelas tuas transgressões: Estupendo é o Soberano dos Mundos, que faz o que Lhe apraz. Poderoso é o Senhor do Universo, que arrebenta quem Lhe convém. Cessa a Tua maldição da minha casa, ó Punidor dos Punidores. Tira a Tua Mão vingativa da minha alma, ó Vingador dos Vingadores. Arrancastes a minha filha desta vida, levaste o meu filho deste mundo. Não tens, acaso, compaixão dos homens?
135.         E Eu te direi: Ó insensato, eles morreram por tua incúria, pois, como tu, não eram tementes ao Senhor e nem foram admoestados adequadamente. Se fossem tementes e amassem o Senhor, com certeza não morreriam;
136.         Teus filhos, ao contrário, preferiram o partido de Satã, apegaram-se nas ilusões satânicas e renegaram o Meu refúgio. E foram, quando mais confiavam na vida, assaltados pelo infortúnio;
137.         Todavia, Eu preservei os teus outros filhos da morte, pois são, em segredo, submissos e íntegros, e, na outra vida, serão agraciados com inúmeras pompas e incontáveis glórias.
138.         Tu e os teus filhos perdidos, porém, sofrerão duas vezes; e os vossos segundo sofrimentos serão infinitamente mais dolorosos;
139.         Pois aqueles que forem separados do Senhor no Dia da Ira e lançados no lago escaldante do tormento, serão intoleráveis; porventura, duvidais do Meu castigo eterno?
140.         Vai, pois, e procurais a senda da Minha remissão, para que tu possas viver novamente. E Eu te juro; a tua segunda vida será imensamente melhor do que a primeira; e Eu tornarei a te ligar aos teus filhos submissos, e viverás pela eternidade; disto não duvides.
141.         Entretanto, por tua negligência não verás mais os teus filhos rebeldes, que morreram antes de poderem se redimir aos Meus Olhos; salvos aqueles que Me aprazerá salvaguardar, pois Eu sou Indulgente, Misericordiosíssimo.
142.         E Eu te pergunto: Tu conseguirás viver no Paraíso, com o peso de teu desleixo e com a desonra de ter fracassado com os teus filhos rebeldes?
143.         Sê, portanto, esperançoso e vigilante, e sabeis que Eu sou o Senhor das impossibilidades.
144.         Ó Manifestante, guarda as Minhas advertências nas páginas luminosas deste Livro Santíssimo; os profanadores da Minha Natureza se recordarão com inquietantes lamentações destes santos sinais, quando lhes acometerem os remorsos em suas almas e eles se lembrarem das suas incúrias junto ao Senhor, o teu Deus; e se recordarem de como foram negligentes com os próprios filhos;
145.         Virão às memórias daqueles que desprezam a Sagrada Luz da Minha Unidade, a capacidade do Senhor de realizar calamidades contra os Seus usurpadores;
146.         Mas, por Minha Justiça, o flagelo da outra vida será ainda pior.
147.         Ó humanos, Eu não Me deleito com a morte ou com a perdição das Minhas criaturas, pelo contrário, Eu me agrado com as suas conversões e Me delicio com as suas correções em Minha Causa, entretanto, Eu não Me furtarei dos Meus juramentos; e sabeis que eles são tão perpétuos como os Meus castigos.
148.         Portanto, aproveiteis, ó humanos, que a ira do vosso Senhor ainda não desceu furiosa sobre as vossas cabeças, e vos redimíeis de vossas ignomínias.
149.         Por que querer sofrer duas vezes, ó humanos?
150.         Quando o que Eu almejo para a humanidade são as delícias da vida eterna?
151.         Afastai as vossas mãos da impiedade, retrocedei os vossos pensamentos da iniquidade e permanecei na gloriosa senda dos sapientes.
152.         Dize: Ó judeus, vós sois os herdeiros do povo escolhido pelo Senhor para a remissão da humanidade, entretanto, renegastes as Suas admoestações e renunciastes o Ungido prometido por Deus. Reduzistes a Glória do Senhor a um Monte Santo, a uma só Nação.
153.         Acaso achas que o vosso Senhor salvará a tribo de Judá, negligenciando o resto da humanidade? O Monte Sinai do Senhor é a Sua Morada Eterna e a Sua Nação reluz sobre todas as outras nações da Terra, diretamente do Seu Trono Infinito; Ele é, verdadeiramente, o Soberano dos Mundos.
154.         Como então vives na cegueira e serves a rebeldia de Satã, renegando a graça do vosso Senhor?
155.         E, se o vosso Senhor vos enviar outro Ungido para nutrir as vossas ilusões, vós o mataríeis, porquanto a linhagem de Judá tornou-se há muito uma nação perversa; um povo perseguidor e uma gente assassina de alvissareiros. Que abominável, que abominável é uma nação homicida, que flagela os Profetas de Deus! Por acaso não haverá severas consequências para os Seus renegadores? Não meditais?
156.         Olhai para o passado do vosso povo, ó judeus; és, porventura, do partido dos insubmissos, que creem que a terrível tribulação que sofrestes foi tão somente obra de maquinação humana? Qual! Sabei, ó insubmissos, que nenhuma determinação vingará sem aprovação de Deus, o Soberano dos Mundos; d´Ele é a soberania sobre todas as coisas do Universo.
157.         Seria muito fácil à Deus frear os planos satânicos dos vossos inimigos, ó judeus, mas não o fez nem o fará, enquanto vós renegares a Sua graça e a Sua remissão; porquanto os partidários de Satã não encontrarão amparo nem socorro algum. Não aprendestes a dura lição, ó povo rebelde? Por acaso, achas, ó judeus, que o vosso povo sobreviverá a um novo e doloroso castigo de aniquilamento? Qual! Deus pune quem Lhe apraz, da forma que Lhe convém. Não trilhai a senda dos insubmissos, que renegam a determinação de Deus, trilhai, pois, a senda da remissão; visto que Deus é o único preservador. Recordai que após a Sua dura lição para convosco, Ele permitiu a vossa justiça sobre os vossos inimigos e vos guiou até a vossa Terra, agraciando-os novamente com a vossa pátria; embora a vossa permanente rebeldia tenha tornado a Judeia numa pátria iníqua, exploradora, secular e desregrada;
158.         Não sejam, pois, dos ingratos. E Ele é tolerante para convosco, ó judeus; não por vossas virtudes, pois longe estais das Colunas da Submissão, mas porque aos vossos antepassados foi dado um Voto Perpétuo. Não escolhei, pois, a punição eterna.
159.         Dize: Ó cristãos, vós herdastes os Sermões do Verbo de Deus, enviado pelo vosso Senhor como prova de amor à Criação, e tão pouco preservastes dos seus preceitos e das suas regras.
160.         Deturpastes todos os seus ensinamentos e fizestes da senda ilusória de Satã a vossa morada; tornando-o vosso líder e o vosso senhor. Atacastes a Sublime Natureza de Deus, atribuindo-Lhe parceiros e nomeando-Lhe semelhantes.
161.         Nomeaste deslealmente um filho unigênito entre os homens da Terra ao Altíssimo; quando Nós sabemos que isto é inconcebível, pois basta Deus dizer seja, e é; e quando Nós sabemos que a Sua Substância é Única e Excelsa, não tem igual ou semelhante.
162.         Outorgastes perfidamente uma mortal que julgas ser uma esposa e uma mãe genitora, ao mesmo tempo, entre as mulheres do mundo ao Glorioso; quando Nós sabemos que Deus jamais coabitou mulher humana alguma, jamais teve esposa ou prole e, mais escandalosamente, nunca conceberia a Si mesmo.
163.         Alegastes que a salvação da humanidade dependerá de um homem. Não raciocinais? Não sabeis, ó espírito pervertido, que o que professais é doutrina satânica e ideologia maléfica?
164.         Usurpastes o Sagrado Trono da Unicidade do Senhor em nome da depravação e da infâmia, ao igualar o homem à Deus;
165.         Que execráveis, que detestáveis! Não atentais?
166.         Dize ainda: Ó honestos entre os cristãos, a salvação da humanidade só dependerá da Eterna Graça de Deus, o Único, o Glorioso, o Preservador; o Honorabilíssimo Soberano dos humanos;
167.         Dize ainda: Ó infames entre os cristãos; o sofrimento do calvário que tanto idolatrais em vossos corações, não será uma sombra do tormento que vos aguardará no Dia da Ira por vossas infâmias contra a Excelsa Natureza de Deus! Não temeis?
168.         Dize: Ó maometanos, Deus vos deu um Livro Lúcido, enviando um virtuoso Profeta da vossa estirpe para que a Mensagem da Unicidade e da Ressurreição prevalecesse sobre os idólatras e sobre os inimigos da Sublime Causa;
169.         Entretanto, como rebaixastes sem o devido temor à Deus, a divina admoestação do Senhor, deixando que a maldade e a perversidade vos maculassem profundamente, servindo-se da falsificação inescrupulosamente? Como pudestes negociar à vil preço, os preceitos sagrados que o vosso Senhor vos agraciou, fazendo alianças perniciosas e pactos satânicos com os renegadores de Deus, em nome de Satã e do culto à Mamom? Não refletis?
170.         Não obstante Deus ter vos vedado as disputas e as cismas entre os submissos, desobedecestes aos Seus comandos e altercastes após o repouso do Profeta, em separatismos e conflitos. Porém, Deus julgará aqueles que, dentre vós, divergiram sobre a orientação e disputaram acerca da Palavra; e os punirá com um doloroso castigo.
171.         Dize: Ó submissos, perseverais nos sagrados comandos do Senhor e não compactuais com os idólatras, não negociais com os ímpios, não celebrais com os iníquos e combateis as vossas simulações internas obstinadamente, pois a falsificação é a matriz de todos os males humanos.
172.         E eles te dirão: Ele forjou este Manifesto.
173.         Dize: Roga, ó escarnecedor, a orientação de teu Senhor e publica tu também uma suma com sinais semelhantes a estes;
174.         Dize: Roga, ó caluniador, a direção de teu Senhor e divulga tu também um Manifesto idêntico ao revelado a mim.
175.         Dize: Quiçá Deus tenha complacência da tua perdição e te resgate do engano.
176.         Dize: Quiçá Deus apure os teus ouvidos e desanuvie os teus olhos.
177.         Haverá, ó Manifestante, alguém mais infame que aquele que forja mentiras acerca de Deus ou que desmente os Seus sinais?
178.         Haverá alguém mais insubmisso do que aquele que mente acerca do Senhor, o teu Deus, atribuindo-Lhe parceiros ou semelhantes?
179.         E que desmente a Sua Manifestação quando Ele lhes apresenta?
180.         Acaso, ó Manifestante, não haverá lugar no Inferno para os renegadores e para os usurpadores da Sublime Luz da Unicidade?
181.         O teu Senhor jamais favorecerá os mentirosos e nunca amparará os Seus renegadores;
182.         Eles duvidarão deste Santo Manifesto, e Eu aumentarei as suas dúvidas quanto a este Santo Manifesto; porque Eu não resguardo os insipientes.
183.         Recorda-te, ó Manifestante, de quando tu eras como os outros do teu povo; um jovem insubmisso e um iletrado nos segredos de teu Senhor. Todavia, Eu me compadeci da tua condição e fiz com que tu despertasses do teu estupor e, depois, em pouco tempo, ao te inspirar com o Meu Verbo, Eu expandi a tua mente para a contemplação do cognoscível e do incognoscível. Assim, através de ti, Eu manifestarei a Minha vontade; Eu humilharei a humanidade por suas rebeldias e por suas falsificações;
184.         E de quando tu pediste um sinal ao Senhor, o teu Deus, para comprovar se tu eras uns dos verazes. E te preparamos um sinal no céu, te despertamos de teu sono, e mostramos pela fresta do teu quarto o sorriso da mais bela e luminosa Crescente. E tu disseste: Bendito é o Senhor, o meu Deus, que não me desampara.
185.         Mas isto não te foi suficiente, e renovaste a tua hesitação, suplicando pela repetição do sinal, prometendo jamais implorar por outro sinal. E te agraciamos com outra Crescente no mesmo horário. E tu disseste: Bendito é o Senhor, o meu Deus, que não me abandona.
186.         Mas isto também não te foi suficiente e implorastes pela terceira vez o Nosso sinal, quebrando a tua promessa. E o Senhor, o teu Deus, te negou um novo sinal. E quando tu rogaste perdão pelas tuas hesitações na Causa do Senhor, o teu Deus, Ele te perdoou; pois é o Remissório, o Piedosíssimo.
187.         Ó Manifestante, por que tu rogas pelo Nosso sinal, se já te agraciamos com a revelação deste Livro Santíssimo?
188.         Poderá haver sinais mais contundentes da graça de teu Senhor, do que Ele te resgatar da insubmissão e te ditar estes sinais?
189.         Tu não terás um sinal maior que este Manifesto, ó Manifestante;
190.         Onde através do beneplácito do Senhor, o teu Deus, tu desmistificarás as falsificações dos seres humanos acerca da Natureza Sublime e exortarás os submissos à Deus no combate ao partido de Satã.
191.         Afastai, portanto, as dúvidas que preenchem o teu coração, pois Deus te nomeou um dos verazes e te dotou com uma limitada sabedoria no incognoscível, para que tu admoestes os seres humanos.
192.         Há nisto uma evidente prova da onipotência de teu Senhor, ó Manifestante, entretanto, os seres humanos não crerão e te renegarão; salvos aqueles que Eu preservar da insipiência.
193.         E a ira de teu Senhor contra os insubmissos será como um furacão indomável e avassalador; não poupará casas, estradas, animais, árvores, homens, mulheres, crianças ou idosos;
194.         Mas, a Sua justiça para aquele que se submeter na Sublime Causa será como uma agradabilíssima brisa de verão, que refrescará o seu rosto do mormaço e o preservará da queima do Sol.
195.         Se Eu ordenasse; a Lua trocaria de lugar com o Sol, e toda a vida terrestre seria extinta. Porventura, duvidais da Minha Onipotência?
196.         E se Eu ordenasse; um novo mundo surgiria, e uma nova raça o dominaria no lugar dos homens. Por acaso, desconfiais das Minhas Faculdades?
197.         Dize: Louvado seja o Soberano dos Mundos; Senhor do Impossível.
198.         Dize: Ó insubmissos, a minha submissão vem de Deus, e tudo que vem de Deus me é suficiente. Trilho na senda dos virtuosos. Proclamo a Luz da Unicidade com acuidade e sabedoria. Não milito entre os idólatras, não atuo entre os trinitários e nem ativo entre os ególatras; suínos e símios irracionais. Porquanto até os porcos e os macacos sabem que não existe outra divindade além de Deus; e que Ele é o Uno, o Imutável e o Indivisível. Sou submisso ao Senhor, um submisso de Deus. Glorificado seja Deus, o Senhor do Universo! Fazei, ó meu Deus e Soberano, com que eu morra entre os submissos na Sublime Causa e seja agraciado como os perseverantes.
199.         Ó Manifestante, por que os homens tornaram a justiça humana um motivo de escárnio? Por Minha Vida; que a justiça dos homens não seja esta abominosa luta de astúcia e de simulação. Abomino o manipulador da lei humana que, sabendo que um homem é criminoso, o acoberta do seu crime apenas pela remuneração do seu trabalho.
200.         E sabeis, ó fraudulentos e oportunistas, que se um ímpio ou um iníquo for absolvido às vossas maliciosas maquinações, negando aos homens o direito e a virtude, então, Eu os condenarei à morte por vossas perversões e por vossas más índoles; Eu não protegerei os corruptores.
201.         Fazeis da justiça, ó humanos, um debate pela verdade e não um jogo de malícia. Se o defensor entre os submissos souber que o réu é culpado, então, que se abstenha de defendê-lo.
202.         Juro por Minha Beleza que preferirás desapontar as leis dos homens que desobedecer às Minhas Leis.
203.         Se constatardes que o réu é culpado, deixai que ele auto se defenda ou deixai ele sobre a proteção dos insubmissos. Não vos misturai aos ímpios ou aos iníquos. Porém, se não tiverdes certeza da culpabilidade do réu, não serieis repreendido se, após defendê-lo, for decretado a sua culpa perante juízo humano.
204.         Se as provas e os indícios forem dissimulações, Eu as desmascarei em juízo em favor do inocente. Mas, se o réu for realmente culpado, então ele mesmo fechará a corda no próprio pescoço.
205.         Por acaso és do que duvidam do Meu auxílio e da Minha Justiça?
206.         Que a justiça dos homens não sirva a falsificação, pois, se servir, será uma justiça desprezível. E malditos serão os seus julgadores, os seus defensores, os seus acusadores e os demais sábios das leis. Malditos serão os povos que se servirem de um sistema judicial malicioso.
207.         Que os homens se comprazem com a orientação da verdadeira justiça do Senhor, que não dissimula. Nunca punirá o inocente e nunca absolverá o malfeitor; pois a única coisa que interessa para o Senhor é a verdade. Esforçai-vos, ó humanos, para chegares à exatidão dos fatos e repudias a falsificação.
208.         Ó Minha serva, por que dúvidas da fortaleza de teu Senhor? Por que tu rogas pela Minha proteção a tua casa com insistentes dúvidas?
209.         Se muitas vezes Eu preservei os filhos dos que Me desprezam, por que Eu negligenciaria os filhos daqueles que Me amam?
210.         E, se eles são tirados de ti, por que tanto choro, por que tanto luto e por que tantas lamentações? Porventura, achas que tens mais direito sobre o teu pai, sobre a tua mãe, sobre o teu marido, sobre o teu filho e sobre a tua filha, do que o Senhor, o teu Deus?
211.         Se eles foram tirados de ti é pelo Meu desejo. Aceita a decisão de teu Senhor e não tropeça para a senda errada, pois os degraus que elevam os perseverantes até o Paraíso são edificados com sacrifícios.
212.         Por que tanto desespero, ó humanos? Por acaso o Senhor não recompensará os benfeitores e os perseverantes? Por acaso Deus não amparará em Seu Seio aqueles que Lhe amam?
213.         Quanto àqueles que renegam o Senhor, jamais encontrarão socorredor algum.
214.         Não te apegues à vida mundana, que é efêmera e passageira, pois a outra vida te será eterna. Por Minha Vida, estas serão as recompensas dos benfeitores; mananciais fabulosos e jardins maravilhosos, onde a família que é submissa ao Senhor será reunida e celebrada pelos anjos. E Eu comungarei com os Meus servos pela eternidade;
215.         Pois Eu dou a vida e também dou a morte; e todos retornarão à Mim no Dia do Juízo Final e das Separações.
216.         Haverá, todavia, no seio da humanidade, famílias inteiras que servirão a insubmissão e serão lançadas no tormento abrasador no Dia das Lamentações e dos Prantos. E Eu dilatarei o Inferno, e levas e mais levas de insubmissos serão lançados no combustível infernal;
217.         E os insubmissos, desesperados, rogarão ao Senhor, o vosso Deus, por misericórdia e compaixão; mas nenhuma piedade será dirigida àqueles que buscam o partido de Satã.
218.         Dize: Ó humanos, não alimenteis a tola ilusão que comungaríeis com o vosso Senhor no Paraíso após as vossas mortes. Porquanto houver um só átomo de falsificação em vossas almas, e enquanto não trilhares a senda reta, vós estaríeis destinados ao tormento.
219.         Esforça-te, pois, ó Manifestante, para que tu não sigas o exemplo dos extraviados; que malíssimos exemplos são os humanos que se extraviam da senda reta.
220.         Ó Manifestante, por que os homens fizeram da infidelidade uma atividade corriqueira? A soberba de tua raça tornou-se tão traiçoeira, que ninguém mais teme o Senhor, o teu Deus?
221.         Dize: Ó humanos, não praticais a infidelidade, pois a infidelidade é uma abominação para o Senhor, o vosso Deus! Por acaso, esquecei-vos dos Seus comandos?
222.         Dize ainda: Pois sabeis que os atos perversos dos seres humanos são registrados com letras carmesins no Livro-registro, assim os homens não se escusarão no Juízo. E o Senhor, do íntimo dos corações, é o Onisciente.
223.         Ó humanos, não sabeis que quando um homem toma uma mulher por esposa, e faz o juramento diante dos Meus Olhos, este passa a ser o Meu esposo? E quando uma mulher toma um homem por esposo, e faz o juramento perante os Meus Ouvidos, esta passa a ser a Minha esposa?
224.         Portanto, quando o marido trai o casamento e comete o adultério, ele não erra contra a esposa, mas sim contra o Senhor, o vosso Deus. E quando a esposa trai o casamento e comete o adultério, ela não erra contra o marido, mas sim contra o Senhor, o vosso Deus;
225.         É por isto que a infidelidade Me é aberrante; e é por isto que os insubmissos sofrerão uma terrível desolação no Dia do Acerto.
226.         Da mesma forma, se o marido levantar a mão para a esposa, será como se tivesse levantado a mão para o Senhor; e será melhor cortar a vossa mão fora do que cometer esta falta contra o vosso Deus;
227.         Igualmente, se a esposa ofender o marido, será como se tivesse ofendido o Senhor; e será melhor cortar a vossa língua fora do que cometer esta transgressão contra o vosso Deus.
228.         Toda agressão mútua entre os cônjuges no casamento será considerada uma agressão ao Senhor, o vosso Deus!
229.         E sabeis, ó humanos, que para o Senhor, o vosso Deus; o noivo que coabitar com a noiva, ou a noiva que coabitar com o noivo, em ambas as situações, ou em situações inversas, o casal estará sobre as leis do casamento; e o homem que coabitar com a mulher, ou a mulher que coabitar com o homem, em ambas as situações, ou em situações inversas, o casal estará também sobre os preceitos do casamento.
230.         Sê, portanto, honestos, probos e respeitáveis no casamento. Não sejais leais as esposas, nem leais aos esposos, mas submissos ao Senhor, o vosso Deus!
231.         Quanto a isto, aqueles que tiverem discernimento, que discirna.
232.         Ó machos, uni-vos com as mulheres solteiras, entre as imaculadas, as purificadas e as viúvas, e não deixeis que nenhuma das mulheres do vosso povo fique sem amparo e conforto; salvos as que se fizeram virgens para o Senhor, o vosso Deus! Que homem algum ouse violar o que Me pertence. Entretanto, se for de comum acordo, não serieis repreendidos, pois o que Eu almejo é a vossa procriação.
233.         Ó fêmeas, uni-vos com os homens solteiros, entre os donzelos, os abluídos e os desamparados, e não deixeis que os homens do vosso povo sem escora e sem consolo; salvos os que se fizerem virgens para o Senhor, o vosso Deus! Que mulher alguma ouse roubar o que Me pertence. Entretanto, se for de comum acordo, não serieis repreendidas, pois o que Eu almejo é a vossa procriação.
234.         Ó humanos, se Eu vos dou a dádiva do amor, por que não vos satisfaz? Se Eu vos dou a Minha bênção em vossos casamentos, por que vos enamorais da maldição de Satã? Não meditais?
235.         Preserva os vossos sagrados juramentos e conserva os vossos santos votos realizados junto ao Senhor, porque o Senhor não tolera os perjuros.
236.         Ó Manifestante, Eu deitei os Meus Olhos sobre os homens de teu povo e te digo que houve homens mais honestos e menos assassinos entre os contemporâneos de Noé do que entre os teus contemporâneos. Do fato que, entre os contemporâneos de Noé, haverá aqueles que precederão os teus contemporâneos no Paraíso;
237.         Análogo a isto, ouvi as malícias das mulheres de tua raça, ó Manifestante, e te digo que entre as habitantes de Sodoma existiram mulheres mais puras e menos homicidas que as mulheres de teu povo. Com efeito, entre as sodomitas, haverá aquelas que as antecederão no Paraíso.
238.         Eis a discrição do Paraíso prometido aos submissos e aos perseverantes, abaixo do qual correrão rios cristalinos, e cujas árvores possuirão frutos deliciosos e inesgotáveis; são os jardins dos prazeres, dos quais os submissos entrarão com os seus pais, as suas esposas e as suas proles, entre os contritos e os virtuosos. Seus familiares e os seus amigos serão como os seus vizinhos, e os anjos saudarão as linhagens submissas ao Senhor.
239.         Porém, no tormento eterno, a calamidade não cessará de açoitar o insubmisso; onde este beberá água efervescente, cujos pés se apoiarão em braseiros incandescentes e cuja morada será o calor continuamente abrasador do Inferno; e que funesta morada!
240.         Dize: Ó vós que crerdes; não haverá um só profeta, nem existirá um só oráculo de Deus entre os adoradores da cruz. Então, ó submissos, não vos submeteis a adivinhos nem vos associeis a necromantes do povo depravado. Apartai-vos destes ímpios indecorosos e vos submeteis apenas ao Senhor, o vosso Deus; o Condutor, o Orientador. Porquanto Deus, o Munificente, vos dará sinais que saciarão as vossas dúvidas, pois Ele é o Vidente, o Sapientíssimo.
241.         Dize: Ó vós que crerdes; os insubmissos perfidamente vos lançarão em predições de infortúnios e maldições, pois os idólatras, como cínicos na submissão, não possuem o dom de vaticínios e não tem predileções junto ao Soberano. O Senhor, ao contrário, abomina os iníquos e detesta os cínicos da submissão; e no Inferno terão as suas moradas eternas. E que malditas moradas.
242.         Dize: Ó vós que crerdes; nenhum ser humano tem qualquer poder sobre a graça de Deus, porquanto a dádiva somente está nas Mãos do Senhor, que a concede a quem Lhe apraz e como Lhe convém; Ele é o Agraciador, munificente por excelência.
243.         Ó Manifestante, escuta a Minha advertência para ti e para os teus; não tomes nenhum ser humano por guardião, nem te tornes guardião de nenhum ser humano; pois aqueles que aceitam a Minha admoestação faz em benefício próprio; por outra, aqueles que Me renegam abjeta em prejuízo de si mesmo;
244.         Vedo aos Meus súditos a guarda de quem quer que seja.
245.         E eles te dirão: Onde está o sinal dos Céus da admoestação? Como saberemos que é a verdade? Não seguiremos um aventureiro.
246.         Dize: Ó insubmissos, os sinais estão as vossas vistas, todavia, vós não os enxergais. O Levante nasce no Oriente e repousa sobre o Ocidente, após um período pré-fixado por Deus. Igual caminho faz a Crescente, despontando no Leste e recolhendo-se à Oeste. Há nisto evidências para os sensatos, porém, vós não refletis, e, ao contrário, preferis as teorias satânicas.
247.         Dize: Deus vos criou a partir de uma pequena gosma de esperma do macho e depois vos transformou num feto, que se desenvolveu perfeitamente no útero da fêmea, protegido por um saco amniótico e nutrido por um cordão umbilical com a anuência do Senhor, e, depois, veio ao mundo bramindo energia e vitalidade. Há também nisto sinais para os judiciosos, entretanto, vós não acreditais e dizeis: Deus não existe.
248.         Dize: Há no piar dos pássaros, no latir dos cachorros, no miar dos gatos e no mugir das vacas, evidências da graça do Senhor, o vosso Deus; do modo que todos os animais da Terra exaltam o Criador enquanto vós, ó humanos, permaneceis em vossas incúrias.
249.         Dize: Ó humanos, se vós esperais sinais miraculosos do Senhor para crerdes em Sua admoestação, vós não os tereis; pois Deus descaminha quem Lhe apraz e encaminha os que Lhe convém;
250.         Dize: Ó humanos, se vós esperais pelos sinais de Deus para repudiares as vossas insubmissões, recebê-lo-ás tardiamente no Dia do Juízo, quando as fornalhas forem acesas diante dos vossos olhos para a danação humana. E sabeis, ó vacilantes, que fogo algum queimará como as chamas da calamidade.
251.         Ó Manifestante, por que tu te perguntas se deves te envolver com os insubmissos sem que assim, te macule? Em verdade Eu te digo que tu poderás entrar num profundo lamaçal, e poderás atolar o teu corpo até o pescoço na imundice, que o teu espírito sairá incólume.
252.         Se Eu te dou o Livro-selado, é para que ele brilhe entre os seres humanos e entre os gênios da Terra. Eu não me comprazo com o descaminho de nenhuma das Minhas criaturas e tu não deves, em nenhuma hipótese, se orgulhar disto;
253.         Vai, pois, e torna-te um exemplo para os extraviados, para que através de tua submissão, eles tenham um modelo de perseverança.
254.         Por acaso, a luz de um farol teme a profusão da noite? Não é nas trevas que a sua luz se faz mais necessária aos seres humanos, guiando os seus barcos e alertando-os do perigo? Se um farol brilhar durante o dia, ou se alumiar abaixo do Sol, sua orientação será desnecessária e o seu alerta dispensável;
255.         Portanto, sê a luz no meio das trevas; mistura-te com os submissos e com os insubmissos e não temei qualquer macula no teu espírito, pois aqueles que são submissos do Senhor são capazes de pisarem sobre brasas incandescentes e se regozijarem. Sabei que todos os adeptos do Livro Me pertencem e, se alguns das Minhas ovelhas estão em evidente erro e descaminho, é por teimosia de coração e não por maldade de espírito;
256.         Salvos os ímpios, os iníquos e os idólatras, que não compõem os adeptos do Livro ou que, compondo os adeptos do Livro, desviam as Minhas ovelhas com doutrinas satânicas; aparta-te destes feiticeiros maldosos e não te mistures a estes sacerdotes perversos; ao contrário, arma-te com a tua submissão e combate-os no levante até que sejam aniquilados do seio humano; se eles te combaterem com a malícia de Satã, responda-os com o Verbo de teu Senhor; se eles te combaterem beligerantes, sustente o fogo inimigo, pois o Senhor, o teu Deus, estará contigo.
257.         Ó Manifestante, tu serás o Meu leãozinho entre os homens da Terra, e o teu rugido será a manifestação da Minha exortação contra o culto à Mamom. Eis que Eu decidi guerrear os idólatras; Eu agitarei os Meus servos contra o partido de Satã, excitarei os Meus santos contra todos os devocionários humanos que servem à ganância e à luxúria.
258.         E Eu manifestarei outros leões iguais a ti; Eu denunciarei o partido de Satã, fustigarei os que se autoproclamam senhores do mundo e desmascararei os seus planos satânicos.
259.         Ó Manifestante, o Meu Verbo desceu sobre a tua cidade e a purificou; e o Meu leãozinho indômito rugirá retumbante, e o seu rugido estremecerá os povos da Terra; ele será o Libertador dos oprimidos, que exortará os Meus servos contra o partido de Satã;
260.         E os Meus servos não conhecerão a desigualdade no seio da submissão entre os submissos e as submissas. Por acaso, tem o sangue do submisso uma cor diferente do sangue da submissa? Ou os martírios e as bravuras dos machos, diferem dos martírios e das bravuras das fêmeas? Qual! Cada submisso e cada submissa combatem pela Sublime Causa com aquilo que Eu os condiciono;
261.         Porém, registra também neste Nobre Devocionário, que tu, ó Manifestante, e os teus súditos, jamais serão rebaixados à mesma qualidade dos idólatras, tanto na vida terrena como na outra vida que virá no Juízo de teu Senhor; não importa o quanto os infames confabulem neste sentido;
262.         Eis que alguns nascem predestinados para comandar como amos, enquanto outros nascem predestinados para obedecer como servos; porquanto os insubmissos sempre servirão, pela Lei ou pela força, aos submissos;
263.         E os insubmissos nunca estarão à altura daqueles que Deus tem oferecido o Seu Pacto e escolhido como o Seu Povo; nem jamais serão os seus senhores ou dominadores.
264.         Por acaso, nivelar-se-á o insensato que se associa à duas entidades antagônicas, com o sensato que tem por aliado Deus, o Uno?
265.         Porventura equiparar-se-á o homem que cultiva a sua barba até esta tornar-se branca, com o negligente que tem o rosto liso?
266.         Ou, ainda, igualar-se-á a mulher que penteia os seus fios capilares constantemente, com a relaxada que deixa os seus cabelos emaranhar-se em confusão?
267.         Qual! Assim evidenciamos a senda luminosa, para que os seres humanos se encaminhem!
268.         Sabei que, embora possam existir submissos com poderes de mando acima de outros submissos; assim ocorrerá para que a vontade e a autoridade do Senhor, o teu Deus, prevaleça. Alguns submissos são espiritualmente fracos e vacilantes, e necessitarão de orientação e de admoestação;
269.         Porém, não significará que haverá submissos melhores que outros submissos. O teu Senhor não diferencia um submisso de outro submisso; todos os submissos, libertos dos extravios idolátricos e dos desvios egolátricos, e laçados em Seu Pacto, foram escolhidos por Deus e são, portanto, iguais perante Ele. Embora o teu Senhor tenha agraciado e escolhido alguns seres humanos em detrimento de outros seres humanos, fez senão para testá-los quanto as suas devoções.
270.         Ó Manifestante, quando tu combaterdes os insubmissos e os idólatras; os cães famintos, os lobos vorazes, as raposas maliciosas e os abutres de Satã; tu e os teus súditos combaterão com valentia e convicção nos espíritos, assim, o Senhor, o teu Deus, te guiará à vitória. E tu serás aguerrido em tua conduta contra os perversos, e o Senhor, o teu Deus, irá à tua frente, golpeando furiosamente os teus inimigos;
271.         E ao lado do Senhor, o teu Deus, marcharão 100 mil anjos guerreiros, treinados para o levante da humanidade na inevitável libertação humana das garras ideológicas de Satã; contra as últimas potestades idolátricas e contra as últimas potências sedutoras dos homens;
272.         E, principalmente, frente ao derradeiro ídolo dos depravados.
273.         Sabei, ó Manifestante, que a Minha Justiça e submissão prevalecerá, inexoravelmente, contra a rebeldia das hordas satânicas; os alicerces do partido de Satã ruirão frente ao invencível Exército Celestial; cujo o Senhor, o teu Deus, é a Adarga e o Alfanje.
274.         E os inimigos da Causa do Senhor, o teu Deus, sucumbirão duas vezes no campo de batalha, frente ao Fogo Divino; nesta vida terrena, e, na outra vida, sofrerão uma eterna punição.
275.         Eis aqui a discrição da marcha vitoriosa dos Meus santos sobre Mamom e sobre os seus asseclas; legiões inumeráveis de anjos se prontificarão às ordens do Senhor, o teu Deus, sob o comando de Miguel; tropas infindáveis de gênios submissos apoiarão os seus flancos; e brigadas intermináveis de infantes e de paladinos se armarão com a verdadeira Religião; e todos eles pelejarão pelo Santo Nome do Soberano dos Mundos, o teu Deus, na Batalha Final da humanidade contra a potestade dos ímpios, a capital dos insubmissos.
276.         Eis aqui a discrição da Batalha Final e do aniquilamento dos insubmissos: As suas torres serão demolidas por uma salva devastadora de artilharia, os seus muros serão desmoronados por canhões de grosso calibre, os seus prédios ruirão aos choques dos mísseis destrutivos, as suas casas serão arrasadas por chuvas de granadas, que as incendiarão como línguas de fogo. E, por fim, os insubmissos serão impiedosamente fuzilados em suas ruelas. O sangue maculado dos inimigos da submissão mundificará a Terra e os submissos se livrarão de toda opressão que os domina. Depois, a Terra expelirá os seus mortos, no Dia da Ira de teu Senhor, e os insubmissos sofrerão um novo e severíssimo revés de fogo e de calor; e quando as chamas da punição embaciar, Eu avivá-la-ei pela eternidade.
277.         Ó Manifestante, a edificação da humanidade se consolidou a partir do permanente e sangrento levante dos partidários de Deus contra os partidários de Satã;
278.         E as hordas satânicas sempre lutarão pela supremacia da sua torpe ideologia e pelo domínio opressivo do partido de Satã. E estas hordas serão toleradas até um período pré-determinado, mas, juro-te por Minha Vida, elas jamais prevalecerão. Se as tolero, faço por amor as Minhas criaturas; porquanto haverá entre os extraviados, aqueles que se redimirão em Minha senda e Eu agraciá-lo-eis com a vida eterna no Paraíso; pois benditos serão os que se voltarem contritos para o teu Deus;
279.         Eis os partidários de Deus; os tementes, os benfeitores e os equânimes, que preservam os fracos e defendem os oprimidos; eis os virtuosos, cujos corações são bondosos e os espíritos são filtrados e purificados; e tornam contritos para o Senhor;
280.         Acaso não é certo, que os que formam o partido de Deus, contarão entre os exaltados no Dia da Ressurreição?
281.         Eis os partidários de Satã; os idólatras, os insubmissos, os ímpios e os iníquos, cuja doutrina é a prevalência dos mais fortes, dos opressores e dos exploradores; eis os extraviados, cujos corações são carregados de depravações e os espíritos são pesados de perversões; e se assoberbam da Palavra e desprezam a Orientação;
282.         Acaso não é certo, que os que formam o partido de Satã, contarão entre os humilhados no Dia da Ira?
283.         E este Levante Sagrado, ó Manifestante, durará até a consumação dos séculos; quando os militantes do partido de teu Senhor triunfarão sobre o partido dos iníquos e dos ímpios; então, no Dia da Ira do Senhor, o teu Deus, as hordas satânicas marcharão enfileiradas para o calamitoso fogo e de lá jamais sairão.
284.         Dize: Ó submissos, a luta pelo vosso Deus se faz nesta vida, pois vós não teríeis outra vida para provares as vossas devoções ao Senhor;
285.         Dize ainda: E os que negligenciarem a luta pela Sublime Causa, serão abatidos nesta vida e, na outra, sofrerão com a calamitosa danação; pois somente os perseverantes serão agraciados com a vida eterna.
286.         Ó Manifestante, este foi o Meu juramento para a humanidade, que Eu modelei do barro e plasmei com a vida; este é o Meu Voto Perpétuo, que Eu fiz ao teu patriarca Adão, quando ele conheceu a transgressão e caiu do Éden. Eu jurei as Minhas criaturas que redimiria os homens e os resgataria do erro e da morte para a vida eterna.
287.         Não duvides do Meu amor à tua raça, ó Manifestante, nem duvides da ternura que Eu possuo com o teu mundo; e saiba que Eu agraciarei aqueles que perseverarem pelo Sagrado Nome do Senhor, o teu Deus, com terrenos maravilhosos, palácios suntuosos e rios límpidos; o Paraíso.
288.         Ó humanos, se a Terra não vos for suficiente para a vossa procriação, se Me pedires, dar-vos-ei de herança os astros celestes de todo o Universo; pois tudo o quanto Eu fiz nos Céus e na Terra foi em vossa atenção, para vos agraciar com a beleza da Minha maravilhosa Criação; pois Eu sou o Munificente, o Dadivoso.
289.         E já que Eu sou o Senhor, o vosso Deus; e nada Me é impossível.
290.         É inadmissível, ó Manifestante, que após as Minhas inúmeras admoestações e depois das Minhas incontáveis advertências aos seres humanos, haja ainda aqueles que vivam nas trevas das ilusões satânicas e desconheçam a Minha Excelsa Natureza;
291.         Eu não vos agraciei, ó humanos, com os sinais milagrosos do Livro-matriz que, como um bálsamo preventivo da morte, anunciam a Luz da Minha Unicidade?
292.         Por que os negais? Não meditais?
293.         E como queres a glória do Paraíso e o esplendor do Último Portão, se na Terra fazes alquimias e peripécias para retardá-los aos teus irmãos, servindo-se da impiedade e da iniquidade? Não refletis?
294.         Afastai-vos da negligência e separai-vos da falsificação, ó humanos; e compreendeis que apenas os submissos e os puros de coração serão agraciados com a eternidade da Minha promessa.
295.         Estes são os abençoados e os prediletos do Senhor, o teu Deus;
296.         E tu Me dirás: Bendito é o Senhor, o meu Deus; o Honorabilíssimo Soberano dos Mundos.
297.         É inadmissível, ó Manifestante, que após avistarem o brilho fulgurante da Sublime Luz do Farol da Unicidade, os humanos ainda prefiram orientar-se pela escuridão do engano, guiando-se para uma evidente rota de colisão;
298.         E que terrível colisão será esta, se o soubessem!
299.         Ó Manifestante, já reparastes em quantos milênios se passaram desde que o Meu Verbo conclamou os homens à Minha Religião e ao Meu Pacto?
300.         Todavia, os seres humanos desmentem a verdade quando esta lhes é manifesta; e ei-los aí em estado caótico, em idolatria à Mamom;
301.         A humanidade é ingrata e prefere trilhar a idolatria e a ignomínia, do que a senda reta.
302.         Mas, juro-te pelas estrelas do firmamento, que Eu tolerarei a insipiência dos partidários de Satã até o Dia Inescapável; então, no Meu Dia, os rebeldes saberão realmente qual é a Substância da Ira do Soberano dos Mundos.
303.         Lamentáveis serão os prantos dos insubmissos e dos idólatras no Dia da Minha Vingança; porém, nenhum socorro será dirigido aos partidários de Satã; salvos aqueles que Eu preservar do castigo.
304.         E os infames te dirão: Deus têm parceiros e semelhantes;
305.         Porque eles são um partido de depravados!
306.         Eu jamais perdoarei a quem Me atribuir parceiros; quem Me atribuir parceiros ou semelhantes cometerá uma transgressão ignominiosa.
307.         São blasfemos os que dizem: Deus é Jesus, o filho de Maria;
308.         Dize: Quem possuiria o mínimo poder para impedir que Deus, assim querendo, aniquilasse a Jesus, o filho de Maria, a sua mãe e todos os seres humanos?
309.         Dize: Só à Deus pertence todas as coisas do Universo; Ele cria o que Lhe apraz, visto que é Poderoso, Potentíssimo.
310.         Os usurpadores dizem: Somos filhos de Deus e os Seus prediletos;
311.         Dize: Por que, então, Ele vos castiga por vossas transgressões? Não meditais?
312.         Dize: Qual! Sois tão somente seres humanos como os outros, sujeitos a observância e a obediência das Leis de Deus!
313.         Dize: O exemplo de Deus para os seres humanos é semelhante à de um amo e os seus escravos; e sabeis, ó insensatos, que o Seu açoite é irremediável e infalível;
314.         Dize: Porque a Ele pertence todas as coisas dos Céus e da Terra; Ele perdoa quem Lhe apraz e pune severamente os que Lhe convém; Ele é o Senhor do Universo, o Soberano dos Mundos.
315.         Dize: Ele é a paz para os benfeitores, e Ele é o tormento para os ímpios.
316.         Dize: Ó insubmissos, não sabeis que Deus é o Eterno e está além do tempo?
317.         Dize: Ó idólatras, não sabeis que Deus é o Infinito e está além do espaço?
318.         Dize: Ó insubmissos, Ele é Deus; o Onipotente, o Onipresente, o Onisciente, o Oniouvinte, o Onibenevolente, o Oniforme, o Onilíngue e o Onifeitor;
319.         Dize: Ó idólatras, Ele é Deus, o Onímodo; o Senhor de todos os Nomes e Atributos.
320.         Dize: Louvado seja Deus, o Uno;
321.         Dize: E glorificado seja o Soberano dos Mundos!