quinta-feira, 20 de julho de 2017

2ª Suma: O Suplicante.

2ª Suma: O Suplicante.

Em nome de Deus, o Piedoso, o Misericordioso.

1.      Louvores a Ti, ó meu Deus, pois não existe outro deus além de Ti;
2.      E glorificado seja o mais sublime de todos os criadores.
3.      Ó Senhor meu, escuta a minha suplica e tem compaixão da minha oração.
4.      Não me castigues com a Tua ira por minhas palavras insensatas, nem me repreendas com o Teu furor por minha ousadia;
5.      Mas preciso, ó Senhor meu, desabafar.
6.      Estou cercado pelos inimigos de Tua Causa; que são numerosos como grãos de areias e poderosos como tempestades tropicais, minando com as suas voracidades, o pouco de esperança que ainda me resta.
7.      Quão fraco eu sou sem o Teu amparo, ó Senhor meu.
8.      E como difícil é trilhar o Teu caminho, ó meu Deus, quando tudo em volta é uma tenebrosa floresta, infestada por lobos vorazes e chacais sanguinários.
9.       Por que, ó Senhor meu, a Tua Criação mergulhou profundamente nas trevas em que se encontra e, não satisfeita, ainda escava dia após dia, um abismo permanente entre a nossa ambição e a Tua vontade?
10.   Por que, ó Senhor meu, os ímpios ascenderam-se tão impetuosamente sobre os Teus servos, e como conseguem os perversos e os depravados saírem ilesos de toda maldade criminosa que praticam?
11.   Por que, ó Senhor meu, os iníquos elevaram-se nas alturas, escravizando brutalmente os povos e as nações em nome de Mamom, sem que uma só luz fosse acesa para denunciá-los?
12.   Será a nossa transgressão diante dos Teus olhos, tão desgraçada assim?
13.   Onde, ó Senhor meu, está a honra em ver uma serva Tua chorar a morte de um filho, ou de um servo Teu gemer a perda de uma filha, quando os devoradores de sonhos e os consumidores de esperanças saem ilesos de toda perversidade que praticam?
14.   Não sabes Tu, ó Senhor meu, que o sonho do Teu servo é olhar para o Teu rosto?
15.   Não sabes Tu, ó Senhor meu, que a esperança da Tua serva é comungar com o Teu Espírito?
16.   Será o nosso crime diante de Teu Espírito, tão profano assim?
17.   Onde, ó meu Deus, está a fortaleza da Tua promessa?
18.   Onde, ó meu Deus, está a certeza do Teu abrigo?
19.   Estamos destinados a perecer sobre o fogo do opressor?
20.   Estamos fadados a findar sobre as deslealdades dos incrédulos?
21.   Somos tão malvistos aos Teus olhos, que não mais veremos a Tua glória e a Tua remissão sobre a Terra?
22.   Inúmeros, ó Senhor meu, são aqueles que se jubilam da perversidade em que estamos mergulhados, enquanto os Teus servos leais e obedientes, aqueles que só desejam o Teu conforto e a Tua Luz, enfrentam uma tribulação esmagadora e uma adversidade torturante.
23.   Então, ó Senhor meu, trouxeste-nos a vida apenas para amaldiçoarmos os dias de nossos nascimentos, maldizendo os ventres de nossas mães?
24.   Será a nossa transgressão diante de Teu Sentido, tão nefasta assim?
25.   Não, ó meu Deus, eu não posso crer que a minha raça esteja fadada ao ciclo maldito e vicioso da senda da corrupção.
26.   Por que, ó Senhor meu, Tu diriges a Tua ira contra os Teus servos, enquanto os Teus inimigos saem incólumes e triunfantes?
27.   Por que, ó Senhor meu, Tu me vedas a beleza de Teu Rosto e a doçura de Tua Voz?
28.   Por que, ó Senhor meu, Tu Te negas a mostrar-me com clareza e serenidade, as Letras Sublimes firmadas pelos Teus Dedos, que levam à senda de Tua Orientação?
29.   Não, ó Senhor meu, eu não aceitarei ser renegado ou abandonado por Ti;
30.   E, se necessário, eu vencerei as minhas limitações humanas e subirei os degraus da transcendência, em busca do Teu esplendor;
31.   E, se Te encontrar, então, eu me amarrarei ao saiote de Teu Calcanhar e não largarei, até que o Senhor, o meu Deus, tenha misericórdia da minha fragilidade;
32.   E Tu, ó Senhor meu, haverá de ter compaixão da minha fraqueza e conduzir-me-á para a vereda reta dos devotos;
33.   Pois de Ti vem toda a glória e remissão.
34.   Louvado sejas Tu, ó meu Deus, o Senhor dos anjos e o Criador dos humanos;
35.   E glorificado sejas Tu, ó Soberano dos Mundos.
36.   Que a Tua vontade prevaleça sempre e sempre;
37.   Que assim seja!

Nenhum comentário:

Postar um comentário