quinta-feira, 20 de julho de 2017

4ª Suma: O Condutor.

4ª Suma: O Condutor.

Em nome de Deus, o Piedoso, o Misericordioso.

1.      Pelo firmamento, que este Santo Manifesto é o Livro-selado do Soberano dos Mundos, ó Manifestante, cujos lúcidos sinais foram inspirados e agraciados a ti pelo Senhor, o teu Deus, como fortaleza espiritual para a exortação dos seres humanos;
2.      E para que os submissos tenham um compêndio coadjuvante das virtudes sagradas que elevarão os seres humanos, verdadeiramente, até o Senhor, o teu Deus, robustecendo assim, as convicções dos devotos no combate à Mamom. E para orientar os submissos nas rejeições das suas tentações e nas refutações das suas fantasias satânicas.
3.      E os perversos te dirão: Este Manifesto não passa de uma forjadura. Repudia este forjador herético, ó devotos.
4.      Ai dos escarnecedores, ó Manifestante, pois não lhes foram enviados admoestadores sem que os renegassem.
5.      Lembra-te de Noé, que a Meu mando exortou o seu povo à prática da justiça e da benevolência, e eles disseram: Não passa de um forjador;
6.      E o escarneceram; e Nós o preservamos da cólera vingativa de teu Senhor, que inundou toda a superfície e aniquilou com os iníquos e com os ímpios da Terra.
7.      E lembra-te de Abraão, que se negou a prostrar-se aos ídolos do seu povo, e conclamou os seus para a devoção pura ao teu Senhor, e eles disseram: Não passa de um forjador;
8.      E o escarneceram; e Nós o preservamos de todos os males dos depravados, e o elegemos patrono de Nossa herança a humanidade.
9.      E lembra-te de Moisés, que com o Meu beneplácito admoestou o povo de Ramsés, e eles disseram: Não passa de um forjador;
10.   E o escarneceram; e Nós punimos os depravados com as maldições desoladoras e afogamos o seu exército no Mar Vermelho; Nós aniquilamos com a potestade de Ramsés, o criado de Rá, exterminamos com o seu povo depravado e destruímos os seus falsos deuses.
11.   E de quando Jesus admoestou os judeus dos seus desvios, foi perseguido e injuriado pelos pervertidos, e eles disseram: Não passa de um forjador;
12.   E o escarneceram; e Nós o escudamos do apedrejamento e ascendemo-lo até o Trono Glorioso, pois é fácil ao teu Senhor.
13.   E de quando Maomé admoestou os idólatras das suas ilusões satânicas, foi acossado e oprimido pelos descaminhados, e eles disseram: Não passa de um forjador;
14.   E o escarneceram; e Nós o preservamos dos ímpios. Nós ludibriamos os idólatras com uma teia de aranha; pois o teu Senhor é o Munificente, o Maravilhosíssimo.
15.   E de quando Báb e Bahá'u'lláh admoestaram os maometanos dos seus descaminhos, foram flagelados e castigados pelos intolerantes, e eles disseram: Não passam de forjadores;
16.   E os escarneceram; e Nós preservamos as suas orientações nos corações dos baháis, para que sirvam de exemplos para as gerações posteriores.
17.   Nisto há provas incontestes para os judiciosos, porém, a maioria dos humanos são incrédulos.
18.   Ó Manifestante, afasta de teu espírito qualquer dúvida e qualquer adoração estranha que não seja a devoção absoluta ao Senhor, o teu Deus;
19.   E saiba que a Luz da Minha Unidade brilha inexorável acima de todas as coisas que existem no Universo.
20.   Dei-te a vida para que tu proves a tua devoção e te darei a morte para que se consuma a Minha promessa de agraciar os perseverantes. Logo, Eu te ressuscitarei e tu retornarás a Minha presença, para que Eu julgue as tuas ações. E tu Me dirás;
21.   Senhor meu, quanto tempo se passou desde que repouso?
22.   E os anjos te dirão o tempo exato de teu repouso;
23.   Haverá, ó Manifestante, aqueles que repousarão por cem anos, outros dormirão mil anos, outros três mil anos, outros quatro mil anos, haverá aqueles que alcançarão os cinco mil anos e outros que irão além. Todavia, será uníssono a respostas de todos os seres humanos quando os anjos perguntarem: Quanto tempo acha que descansas, ó humano?
24.   Crentes e incrédulos, regrados e desregrados, benfeitores e malfeitores dirão num só suspiro: Ó Senhor meu, parece-me que não se completou uma hora sequer da minha morte;
25.   E Eu vos responderei: O tempo nada significa para a Minha Onipotência; pois Eu sou o Piedoso, o Misericordioso.
26.   Ó Manifestante, para que Eu te preserve de todos os males da humanidade, carrega o temor ao Senhor, o teu Deus, sempre ativo em tua consciência;
27.   E se tu proteger a tua mente com a Minha presença e fizer de teu coração uma habitação permanente para o Senhor, o teu Deus, então não poderás ser maculado pela maldade e não te abalarás às adversidades;
28.   Pois Eu te preservarei dos teus erros e te ampararei de qualquer tribulação que te assole.
29.   E a saudação dos meus submissos serão: Que a paz esteja convosco! E os Meus servos responderão: E convosco esteja a paz!
30.   Ó Manifestante, preservai a mais bela joia deste Manifesto no cerne de teu espírito. Pois este será o diamante dos diamantes; o mais belo tesouro da Minha Assembleia. E eu o reservei para ti e para os teus súditos;
31.   Tu amarás o Senhor, o teu Deus, acima de todas as coisas do Universo. E não preencherás o teu coração com ninguém mais além do Senhor, o teu Deus; pois assim o Senhor te amará para sempre e habitará o teu espírito permanentemente.
32.   Não poderá o Senhor, o teu Deus, coabitar o teu espírito com estranhos; portanto, repudia toda forma de idolatria e rejeita toda forma de incredulidade, porque o Senhor abomina os cínicos na Religião.
33.   E quando amares os teus pais, os teus filhos, as tuas mulheres, os teus familiares e os teus súditos, fazei em nome do amor ao Senhor, o teu Deus;
34.   Porque só quem ama verdadeiramente o Senhor, poderá amar o seu próximo com sinceridade e honestidade no coração; pois só quem é um submisso do Senhor combaterá arduamente a falsidade.
35.   E tudo quanto fizeres na Terra entre os teus súditos, fazei em atenção ao Senhor, o teu Deus;
36.   Pois só quem praticar as boas ações e pagar as oblações no nome do Senhor, será preservado da calamidade eterna.
37.   E quando tu pagares a tua doação caritativa e as vítimas da tua caridade ou da tua generosidade agradecer, dize-lhes: Agradecei a Deus, pois d´Ele vem a graça e o favor. E a Ele pertence toda a glória do Universo. Louvado seja o Clemente.
38.   E se tu, ó Manifestante, for a vítima da caridade ou da generosidade de terceiros, recorda-te da graça de teu Senhor, pois Deus só ampara os agradecidos.
39.   Que a falsidade nunca macule os Meus servos e que a verdade sempre prevaleça. Que a mentira nunca esteja na ponta da língua dos Meus servos e que eles jamais professem os mitos e as lendas criadas pelos depravados entre os seus filhos, pois Satã se alimenta das dissimulações humanas e ele é o vosso inimigo declarado.
40.   Que os cultos aos ídolos do natal e aos ídolos da páscoa sejam extirpados do seio dos devotos, pois não passam de ilusões satânicas para alimentar as vossas cobiças em nome da luxúria.
41.   Que todos os festejos e todas as comemorações sejam destinadas ao Senhor, e que prevaleça a verdade e a sinceridade entre os humanos e as suas crias.
42.   Se vós comemorardes o natal professando as suas ilusões satânicas, como o Noel ou o nascimento de Jesus, o filho de Maria; sabeis que ambas estas coisas são fantasias dos seres humanos e, se vós comemorares estas fantasias satânicas, estaríeis em transgressão de idolatria; e o Senhor, o vosso Deus, abomina os idólatras!
43.   Jesus, o filho de Maria, não nasceu nesta data e o Noel é apenas mais um ídolo fabricado pelos depravados para a obtenção dos lucros.
44.   E quando as vossas crianças vos perguntarem de onde vem a graça da vida, respondeis: Do vosso Senhor que está nos Céus, pois a Ele pertence todos os dias e todas as horas. E d´Ele vem todas as dádivas da vida.
45.   Tudo que for benéfico aos seres humanos e destinado em Meu Nome será aceitável; pois Eu sou o Piedoso, o Tolerantíssimo.
46.   Mas tudo que se servir da falsidade e da mentira, será reprovável; pois Eu não tolero os vacilantes e os caprichosos.
47.   Que sirva de exemplo para as outras datas comemorativas egolátricas e idolátricas, pois Eu só encaminho os sensatos e os obedientes;
48.   E, se estas datas servirem para a falsidade humana, então vós estaríeis destinados ao tormento da purificação, ó humanos, já que Eu abomino os mentirosos. Que a ficção seja tratada como ficção, e a verdade como verdade; que ambas jamais se misturem;
49.   Porém, ser-vos-á mais adequado, ó devotos, abster-vos das festividades egolátricas e das comemorações idolátricas, se quereis saber.
50.   São blasfemos os que comemoram o natal professando o nascimento de Jesus, o filho de Maria, e são blasfemos os que comemoram o natal professando o ídolo Noel; e sofrerão uma punição eterna no tormento; salvos os inócuos, que são induzidos ao erro pelos oportunistas que almejam lucrar em cima das suas ingenuidades;
51.   Sabei que Eu jamais comungarei com corruptores de homens e jamais compactuarei com a mentira; e só dirá o contrário o depravado mais caprichoso!
52.   Não posso agraciar aqueles que vivem na concupiscência das suas ilusões satânicas ou das suas fantasias satânicas; nem tampouco posso compactuar com os cínicos e com os mendazes;
53.   São estes que desdenham da Palavra e que desprezam a Orientação.
54.   E Eu sou o Senhor da verdade, o Deus de justiça, ó humanos; que os Meus servos permaneçam entre os verazes e que perseverem em Minha senda;
55.   E que observem a oração diária, que cumpram o pagamento periódico das oblações caritativas e que obedeçam aos Meus comandos.
56.   Não sigais, ó devotos, o exemplo dos povos depravados, dos vacilantes e dos caprichosos, que renegam as Minhas Leis e rejeitam as Minhas alvíssaras;
57.   Porquanto aos incrédulos e aos idólatras, serão destinados grossos grilhões de fogo inextirpável e pesadas correntes inquebrantáveis de ferro, e cuja desinência do enfileiramento será as chamas eternas e calamitosas;
58.   E, se necessário, Eu expandirei o fogo e dilatarei os muros do tormento; pois nenhum extraviado ou descaminhado escapará do Meu decreto.
59.   E, se toda a humanidade me renegasse, ó Manifestante, Eu a lançaria no fogo eterno e de lá a tua raça jamais sairia, pois Eu sou Poderoso, Potentíssimo.
60.   És, por acaso, dos que duvidam das Minhas faculdades?
61.   És, porventura, dos que tripudiam dos Meus comandos?
62.   Estes jamais encontrarão protetor ou socorredor algum; salvos aqueles que Me aprazerá preservar, pois Eu sou Piedoso, o Mais Compassivo.
63.   Por que idolatrar fabricações depravadas dos perversos, ó humanos, se nenhum dos ídolos mundanos poderá vos proteger do fogo no Dia Infalível?
64.   Não é o vosso Criador suficiente às Suas criaturas? Quem vos socorrerá de qualquer adversidade, senão Ele?
65.   Não é o vosso Deus, o Poderoso?
66.   Então, porque esta rebeldia milenar?
67.   Se vos digo para não se prostrarem diante de imagens e de símbolos estranhos à Luz da Minha Unicidade, por que não obedecem? Por acaso, os Meus sinais são inarráveis e impérvios?
68.   Qual! Os humanos são naturalmente rebeldes, ingratos e preferem a insipiência.
69.   Se vos digo para depositarem as vossas adorações e as vossas súplicas em Mim, tão somente, por que buscais outros nomes além do Meu? Não meditais?
70.   Não fui Eu que desenhei o firmamento e depois o preenchi com as estrelas?
71.   E não fui Eu que alarguei a Terra, e nela pus as Minhas criaturas, em pares de casais, para que a dádiva da vida fosse preservada?
72.   E não fui Eu que fiz o homem a partir da argila e modelei o seu corpo a Meu prazer? E depois, plasmei com o Meu Sopro o espírito humano e disse-lhe: Perseverai em Minha senda, ó Adão, e obedecei aos Meus comandos.
73.   Qual! O homem desde o princípio se rebelou contra o Senhor, o teu Deus, ó Manifestante;
74.   E Adão colocou a culpa do descaminho em Eva; porque o homem desde o início é irresponsável e é especialista em se escusar da Lei.
75.   Mas a responsabilidade sempre será do homem; pois o homem foi feito à Minha imagem e à Minha semelhança;
76.   E Eu dei ao homem o domínio e a responsabilidade sobre a mulher e sobre todas as outras criaturas da Terra.
77.   Porventura, não foi ao homem, que Eu sempre admoestei e orientei com a Revelação da Palavra e com os Livros Lúcidos e Indubitáveis?
78.   Porém, isto jamais significará que o homem é melhor que a mulher, ou que o Senhor dá atenção a um e negligência o outro; todavia, os deveres do macho sempre serão diferentes dos deveres da fêmea. Neste quesito, o homem está um grau acima da mulher.
79.   O homem Eu criei para a Minha Glória e a mulher, Eu concebi para a glória da humanidade e da procriação.
80.   Esforça-te, pois, ó mulher de virtudes, para não seguires os passos das extraviadas, que ao buscarem igualar-se ao homem, apenas herdaram as suas irresponsabilidades e desvirtuaram-se da senda reta, maculadas pela depravação e pela infâmia masculina; porque os homens são os espelhos de todos os males da Terra.
81.   E Eu dei a morte, a enfermidade, a fome e a guerra como heranças à humanidade por suas ignomínias.
82.   Porém, Eu também nomeei admoestadores juntos aos povos da Terra, para que aqueles que Me amassem e que Me temessem repudiassem as suas rebeldias e as suas idolatrias, para assim, serem agraciados com a vida eterna;
83.   Qual! Os seres humanos em sua maioria repudiaram os Meus alvissareiros; denegriram-Nos, perseguiram-Nos, assassinaram-Nos e se não fossem as Nossas intervenções em seus auxílios, não haveria sobrevivido um só profeta entre os perversos da Terra; pois os seres humanos são réprobos e ingratos.
84.   Quantos povos perversos Nós já destruímos? E quantas nações depravadas Nós já apagamos?
85.   Mas grande parcela da humanidade ainda é incrédula e outros povos também desparecerão, aniquilados por suas próprias deslealdades.
86.   Agora, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante;
87.   Mais uma vez, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante;
88.   Pela terceira vez, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante.
89.   E diz para o Senhor, o teu Deus; quantos deles são monoteístas, íntegros e submissos à Sua Unicidade?
90.   E quantos deles são idólatras, incrédulos e depravados?
91.   Eis a prova do fogo purificador, entretanto, muitos ainda preferem as fantasias satânicas;
92.   Que nefasta senda, é aquela que levará ao castigo eterno.
93.   Porventura, terá o Senhor misericórdia ou terá o Senhor compaixão dos Seus renegadores naquele Dia, ó Manifestante?
94.   Compactuarei por acaso, com os idólatras e os incrédulos no Dia da Minha Ira?
95.   Qual! Todos eles sofrerão um severíssimo escarmento; e serão enfileirados à esquerda no Dia da Punição, onde constarão entre os militantes de Satã; e eles serão esbofeteados e humilhados por anjos austeros e obedientes e, depois, lançá-los-emos no lago infernal, onde as chamas jamais cessarão; e quando diminuírem as suas essências Eu eternamente avivá-las-ei;
96.   E que morada tortuosa será esta, se o soubessem.
97.   Tudo que vos peço, ó humanos, é a vossa devoção absoluta à Mim; o respeito e a observância às Minhas Leis; pois assim Eu vos preservarei de todos os males da vida e vos darei a eternidade;
98.   Mas tudo que tenho recebido é rebeldia e ignomínia da humanidade.
99.   Até quando Eu vos tolerarei, ó humanos?
100.         Não será até aquele Dia, cuja a Lua se fundirá com o Sol, as estrelas transformar-se-ão em hipernovas e cairão do firmamento, o turbilhão de fogo consumirá o ar e a Terra será pulverizada e planificada?
101.         No Meu Dia as chamas do castigo serão vivificadas; Nós faremos Justiça aos injustiçados e Nós puniremos os ímpios.
102.         Tudo que Eu vos peço, ó humanos, é que glorifiquem o Meu Nome e louvem a Minha Glória;
103.         Mas tudo o que fazeis é invocardes nomes de terceiros, negando a Minha Unicidade e rejeitando a Minha Autoridade.
104.         E eles também renegarão a Minha admoestação, ó Manifestante, porque são, verdadeiramente, um partido de transgressores;
105.         E te dirão: Ele tem forjado este Manifesto para nos desviar das nossas adorações.
106.         Dize: Apresentai vós, ó escarnecedores, uma mensagem semelhante a esta, se fordes submissos;
107.         Qual! Eles nunca apresentarão nada semelhante a isto, porque são desleais e são idólatras; e o Senhor, o teu Deus, jamais amparará os infidos.
108.         Dize: Ó incrédulo, têm, porventura, outros deuses além de Deus? Qual! Glorificado seja o Senhor, acima de tudo quanto Lhe associam.
109.         Dize: Ó idólatras, invocai a proteção dos vossos ídolos que eu, da Minha parte, invocarei o amparo do Senhor, o meu Deus; porque Ele me é suficiente.
110.         Dize: Ó insensatos, quem está incorrendo em erro contra a Palavra de Deus: eu, que sou um submisso monoteísta e suplico tão somente pelo Sagrado Nome do meu Senhor, ou vós, que sois idólatras trinitários, invocando ídolos fabricados pelos seres humanos? Quem está mais encaminhado na senda reta; eu, que invoco unicamente o Deus Vivo, ou vós, que invocais um mortal, o ídolo de Roma? Fazeis isto por falta de sanidades mentais, ou é que sois do partido dos transgressores? Não meditais?
111.         Dize: Invocai o nome do vosso deus-morto ou do vosso deus trino que eu, da Minha parte, invocarei o Sagrado Nome do meu Deus Vivo, e aguardemos ambos, o Dia Inescapável.
112.         Dize: Porque entre a minha devoção pura à Deus e a vossa infame idolatria à terceiro, há um abismo entre a glória e a danação;
113.         Dize: E entre a minha devoção pura à Deus e a vossa infame idolatria à terceiro, eis que o Senhor, o meu Deus, é suficientemente testemunha.
114.         Dize: E não haverá na existência testemunha mais idônea e justa;
115.         Dize: Louvor à Deus, o Grandioso; o Senhor de todos os Nomes e Atributos.
116.         Dize: Ou talvez vós invocaríeis, ó insensatos, as vossas fortunas para vos assegurar um terreno no Paraíso?
117.         Quão tolas são as ilusões satânicas dos depravados.
118.         Tal é a situação dos idólatras; e que abominosa idolatria;
119.         Tal é a posição dos incrédulos; e que execrável incredulidade;
120.         E seguem rejeitando as admoestações do Senhor; e seguem renegando os sinais de Deus;
121.         E sofrerão uma afrontosa punição!
122.         Dize: Ó incrédulos, aproveiteis das vossas insensatezes enquanto ainda podeis; porque a vida mundana vos será efêmera e vós seguíeis na incúria e nas diversões das fantasias satânicas, desviando-se da submissão absoluta à Deus; mas sabeis, ó insensatos, que na outra vida, vós teríeis que pagar cada centavo por vossas depravações mundanas.
123.         Quereis saber o que é uma ilusão satânica ou o que é uma fantasia maléfica, ó humanos?
124.         É toda doutrina humana que desvia os homens da devoção verdadeira à Mim; e, não obstante, é tudo aquilo fabricado para negligenciar a luta pela Minha Sublime Causa;
125.         Porque somente os perseverantes serão agraciados.
126.         Para isto, que durante o alvorecer e após o entardecer, os humanos se recordem do Meu Nome e, ao anoitecer, procurem-Me intimamente;
127.         Porque o que Eu almejo para os Meus servos é que tenham uma relação íntima e permanente para com o Meu Espírito.
128.         Esforça-te, pois, ó humanos, para alcançardes os Meus desejos e repudias as ilusões satânicas.
129.         Ó humano, como almejais comungar com o Meu Espírito, se preenchestes o teu espírito com adoração à estranhos? Não raciocinais?
130.         Agora, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante;
131.         Mais uma vez, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante;
132.         Pela terceira vez, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante.
133.         E diz para o Senhor, o teu Deus; quantos deles são monoteístas, íntegros e submissos à Sua Unicidade?
134.         E quantos são idólatras depravados e incrédulos pervertidos?
135.         E tu ainda perguntas onde está o Meu amparo prometido aos teus irmãos e tua pátria?
136.         Ampararei, por acaso, os Meus renegadores?
137.         Socorrerei, porventura, os inimigos dos Meus sinais?
138.         Jamais encontrarão socorro ou amparo aqueles que militam no partido de Satã e que proclamam as fantasias satânicas;
139.         Jamais encontrarão conforto aqueles que são amantes de Mamom;
140.         E sofrerão um afrontoso castigo.
141.         Todavia, aqueles que são verdadeiramente devotos; que observam as orações diárias; que pagam as oblações periódicas; que preservam as Minhas Leis e os Meus Preceitos; que acolhem as viúvas; que amparam os órfãos; que auxiliam os necessitados; que fazem justiça aos pobres; e que lutam pela libertação dos oprimidos;
142.         Estes serão poupados das atribulações e do fogo; e, na outra vida, serão agraciados com a paz da Minha promessa.
143.         Recorda-te das lições do Meu Ungido, ó Manifestante, e sabei que nenhum opulento comungará com o Meu Espírito; salvo aqueles que Eu preservar do castigo.
144.         E tu me perguntarás: Senhor meu, Senhor meu, quem entre nós contará entre os ricos, já que muitos humanos herdam fortunas?
145.         E Eu te direi: Serão aqueles que servirem à ganância e explorarem os seus semelhantes de forma impiedosa; e serão os avarentos; que não acolhem as viúvas; que não amparam os órfãos; que não auxiliam os necessitados; que não fazem justiça aos pobres; e que não lutam pela libertação dos oprimidos.
146.         Entretanto, aquele que herda uma fortuna de acordo com o Meu beneplácito, mas teme o Senhor e Me ama acima de todas as coisas; e observa as orações diárias; e faz as oblações periódicas; e preserva as Minhas Leis e os Meus Preceitos; e acolhe as viúvas; e ampara os órfãos; e auxilia os necessitados; e faz justiça aos pobres; e luta pela libertação dos oprimidos;
147.         Estes jamais contarão entre os ricos, embora herdam fortunas incalculáveis; constarão, ao contrário, entre os virtuosos e os contritos.
148.         Porque são liberais, generosos e caridosos; e porquanto são submissos à vontade do Senhor, o teu Deus. Mas, será mais sensato, ó humanos, doarem as vossas vidas e as vossas fortunas em Minha Causa, se quereis saber;
149.         E quantos serão os seres humanos que se horrorizarão com esta exortação, ó Manifestante, maldizendo-te; e negarão os sinais da doação em Minha Causa, porquanto amam os lucros acima do Senhor, o teu Deus. E porquanto amam a vida terrena acima da outra vida; e sofrerão, infalivelmente, uma punição no tormento de fogo e calor.
150.         Sabei que Eu não desejo a ruína econômica dos Meus servos, ó Manifestante, todavia, Eu não tolerarei os idólatras.
151.         E eles te dirão: Este Manifesto não passa de uma fábula de um herege;
152.         Porque são, intimamente, escravos de Satã; e porque renegam a Minha Unicidade;
153.         Dize: Glorificado seja o Senhor do Universo, o meu Deus, acima de tudo quanto Lhe associam;
154.         Dize: E louvado seja Deus, que me agraciou com o Livro Luminoso e Indubitável; e que me redimiu com uma admoestação puramente monoteísta e lúcida;
155.         Dize: E exaltado seja o Soberano dos Mundos, acima de todas as coisas do Universo.
156.         Agora, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante;
157.         Mais uma vez, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante;
158.         Pela terceira vez, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante.
159.         E diz para o Senhor, o teu Deus; quantos deles são monoteístas, íntegros e submissos à Sua Unicidade?
160.         E quanto deles são idólatras e opositores?
161.         E tu Me perguntas como os teus inimigos e adversários triunfaram, ó Manifestante?
162.         Eles triunfaram porque os Meus servos negligenciaram a luta pela Sublime Causa; e se rebaixaram aos perversos e aos depravados, aceitando a autoridade dos incrédulos.
163.         E tornaram-se um povo injusto, transformaram-se numa nação perversa;
164.         E serão, ambos, aniquilados pelo Senhor do Universo, que decretará a Sua Comunidade e redimirá os povos no Ocidente das suas depravações idolátricas, em atenção a ti, ó Manifestante, e em atenção aqueles que Me amam.
165.         E tu Me dirás: Como se dará isto, ó Senhor meu, se as falanges dos incrédulos são numerosas como grãos de areias?
166.         E Eu te direi: Porventura existirá alguma limitação ou alguma impossibilidade para o Soberano dos Mundos?
167.         Não temei as hordas satânicas e as falanges perversas, ó Manifestante, já que Eu serei o teu Alfanje e a tua Adarga;
168.         E os incrédulos e os idólatras, embora numerosos como grãos de areias, sofrerão uma vergonhosa e definitiva derrota.
169.         Se Eu quisesse, lançá-los-ia no braseiro eterno do Inferno; e, se Eu quisesse, agraciá-los-ia com a paz do Paraíso;
170.         Porque para o Senhor, o teu Deus, nada é impossível.
171.         E, quando o Meu Império triunfar sobre as hordas satânicas, a Morada da Paz e o Sagrado Devocionário, serão exemplos de clemência e de indulgência do Senhor para todas as outras metrópoles do Ocidente; nela os Meus servos se iluminarão à Minha Coluna de Remissão e beberão diretamente da Fonte dos Abluídos;
172.         Porque Eu sou o Senhor do velho e do novo; e à Mim pertencem o passado, o presente e o futuro;
173.         Eu sou o Soberano do Tempo; o Deus Vivo, o Imortal e o Sempiterno;
174.         E Eu decretei: Venceremos, antes da consumação dos séculos e dos milênios, Eu e os Meus Mensageiros;
175.         Porque Eu sou o Poderoso, e nada se oporá ao Meu Verbo!
176.         Olhai para a história da tua raça, ó Manifestante, e tenta dizer para o Senhor, o teu Deus, quantos povos e ídolos Ele já aniquilou?
177.         Porventura, será preservado o ídolo do teu tempo?
178.         Por acaso, Satã e os seus militantes escaparão da Minha Ira?
179.         Qual! O partido de Satã será destruído, a coroa de Mamom será quebrada e os idólatras serão aniquilados; e, na outra vida, sofrerão todos eles, uma dolorosa punição.
180.         Ó humano, por que tu repudias a Minha fortaleza e tornas Satã o teu aliado?
181.         Não sabes tu, que ele só te venderá ilusões e fantasias? Não raciocinais?
182.         O que ele te oferecerá no Meu Dia, senão a tua própria perdição?
183.         Porque no campo idolátrico tudo é diversão, capricho e falsidade;
184.         E somente os Meus servos; os submissos puros e os devotos íntegros, combaterão arduamente a falsidade, a hesitação, o capricho e a vacilação;
185.         E farão em atenção ao Senhor, o teu Deus, ó Manifestante.
186.         Antes, Eu enviei outros Mensageiros; recorda-te de Jesus, o filho de Maria, do qual Eu agraciei com os Sermões, para admoestação dos seres humanos com a clemência e a compaixão de teu Senhor. No entanto, os incrédulos renegaram a sua exortação e falsificaram a sua mensagem;
187.         E os cristãos, seus seguidores, criaram uma vida monástica regada de luxos, riquezas e ritos litúrgicos que Eu nunca prescrevi aos Meus servos; e fizeram do culto ao teu Senhor um espetáculo abominoso e mentiroso, alimentando os seus próprios egos de porcos em atenção e satisfação dos seus semelhantes.
188.         Assoberbaram-se da orientação, deturparam os Sermões de Jesus e renegaram os Meus comandos; porque são, verdadeiramente, um povo depravado e pervertido; isto é, um povo idólatra e incrédulo;
189.         E porque são, acima de tudo, partidários de Satã.
190.         E os Meus renegadores fabricaram uma nova aliança em detrimento da Legislação Sagrada, endeusaram um ídolo e nomearam parceiros junto à Mim.
191.         Não é certo, ó Manifestante, que haverá espaço no Inferno para os profanadores da Unicidade e para os seus seguidores?
192.         Eis o que Eu realmente prescrevi para os Meus servos: que se recordem sempre do Meu Nome; que obedeçam às Minhas Leis e os Meus Preceitos; que observem as orações diárias; que paguem as oblações periódicas; que façam justiça aos órfãos; que auxiliem as viúvas; que amparem os pobres, os oprimidos e todos os outros necessitados. E que combatam a falsidade; que não atribuam parceiros à Mim; que não matem inocentes; que não roubem; que não forniquem; que não pratiquem o filicídio ou o infanticídio; que não forjem mentiras e calúnias acerca dos homens e de Deus;
193.         E que busquem a Minha satisfação intimamente; pois Eu não tolerarei os réprobos.
194.         Ó humanos, as vossas vidas terrenas serão apenas jogos e diversões, e elas vos serão efêmeras;
195.         Porém, a maioria dos homens são insipientes e servem durante toda as suas vidas à Satã, renegando o Meu amparo.
196.         Não sabeis que Satã é o vosso inimigo declarado?
197.         Quando todas as criaturas se prostraram à Adão, Satã se negou e Eu o amaldiçoei;
198.         E ele disse-Me: Tolera-me, e eu Te provarei, ó Senhor meu, que a humanidade é indigna de Tua Glória.
199.         E Eu lhe disse: Serás dos tolerados, ó Satã.
200.         E Satã tenta, desesperadamente, desde então, desviar os homens da senda reta;
201.         Mas nada poderá fazer contra os devotos de Deus; porque estes são íntegros e virtuosos; e porque ele não tem poder algum sobre os submissos.
202.         Dize: Ó Satã, acaso achas que a tua nefasta ideologia triunfará contra os desígnios do Senhor, o meu Deus?
203.         Dize: Ele decretou: Venceremos, Eu e os Meus servos;
204.         Dize: E leve o tempo que levar, contarás tu, ó Satã, inevitavelmente, entre os humilhados naquele Dia; e a humanidade será, inexoravelmente, redimida.
205.         Dize: Louvado seja o Senhor, o meu Deus; o Infalível, o Irresistível.
206.         Quão tolas são as ilusões dos transgressores, ó Manifestante;
207.         O orgulho, a soberba e a teimosia levará o genioso Satã ao castigo eterno; e com ele estarão levas e mais levas de seres humanos rebeldes;
208.         Porque são, ambos, um partido de transgressores.
209.         Aprendei a lição, ó virtuosos e contritos; repudiai as fantasias satânicas e as mentiras idolátricas dos incrédulos.
210.         Haverá alguém mais abominável do que quem forja mentiras acerca da Minha Natureza, nomeando-Me parceiros e atribuindo-Me semelhantes quando Eu Manifesto a Minha orientação, convocando os seres humanos à devoção e à integralidade do Meu Nome?
211.         Sabei que Eu jamais ampararei os desmentidores!
212.         Ó humanos, por que prometeis o que não podeis cumpris?
213.         É imensamente odioso perante os Meus Ouvidos, prometerdes o que não fazeis;
214.         E se estende a ti, ó Manifestante; porquanto embora Eu tenha te agraciado com a revelação da Minha Unicidade, tu ainda hesitas em Minha senda.
215.         Verdadeiramente, Eu aprecio somente aqueles que combatem pela Sublime Causa, no Meu partido, como se fossem uma sólida e impenetrável muralha; marchando, à passos de gansos, na senda reta e gritando, em uníssono: Louvor à Deus, o Grandioso!
216.         Agora, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante;
217.         Mais uma vez, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante;
218.         Pela terceira vez, torna a olhar para o teu povo, ó Manifestante.
219.         E diz para o Senhor, o teu Deus; quantos deles são monoteístas, íntegros e submissos à Sua Unicidade?
220.         E quanto deles se prostram diante de imagens que se julgam santas ou de símbolos fabricados pelos idólatras; renegando o Meu comando?
221.         Olhai ao teu redor, ó Manifestante; não é nas regiões circunvizinhas da Morada da Paz que a idolatria do povo depravado se faz mais notável?
222.         Acaso achas que a tua conversão foi um ato irrefletido do Senhor, o teu Deus?
223.         Qual! Eu humilharei todos os idólatras por suas depravações e a Minha Manifestação os alertará do tormento eterno que os aguardará no Meu Dia;
224.         E, aqueles que Eu preservar da incúria, serão redimidos em Minha senda; já que Eu sou o Piedoso, o Misericordiosíssimo.
225.         Todavia, os renegadores da Minha admoestação sofrerão um severíssimo escarmento no lago de fogo e de calor;
226.         Porque são idólatras e porque vivem submergidos nas águas turvas das ilusões satânicas.
227.         E disse Jesus, o filho de Maria, o Meu servo: Ó devotos, preservai os vossos votos de casamento e os vossos juramentos de fidelidade feitos diante de Deus, e não praticai a fornicação; porquanto preferirás arrancar cada membro fora dos vossos corpos do que transgredir contra o Senhor.
228.         Mas os cristãos, seus seguidores, praticam a fornicação e a infidelidade no matrimônio sem temor à Mim, ó Manifestante; porque são um povo depravado e porque são suínos hipócritas.
229.         E eles tripudiaram da orientação dos Sermões, deturparam as suas essências e fabricaram um testamento romano; um livro repleto de contradições, divergências e aleives, do qual Eu jamais revelei a ser humano algum. Porque Eu não amparo os mendazes e porquanto eles são desleais para com o Senhor, o teu Deus; atribuindo-Me parceiros e nomeando-Me semelhantes.
230.         Acaso acham os cristãos, que admoestação de Jesus tem sentido dúbio?
231.         Qual! Os renegadores da Minha Lei sofrerão uma tortuosa flagelação; porque são infidos.
232.         Ó devotos, Jesus não realizou milagres, jamais reanimou ninguém nem foi ele mesmo reanimado; pois não morreu ou foi crucificado. Porém Eu, através de Jesus, o filho de Maria, o Meu servo; curei os enfermos, alimentei os pobres e reanimei os mortos. Que os submissos, pois, se submetam à Mim e que repudiem a idolatria.
233.         E os depravados entre os seres humanos fantasiaram uma crucificação e decretaram a morte de Jesus; porque são os idólatras mais extravagantes da Terra; mentirosos e supersticiosos.
234.         Sabeis, ó humanos, que Jesus, o filho de Maria, foi ascendido aos Céus e preservado dos ímpios. E os depravados simularam a sua crucificação; porquanto são corruptores.
235.         E Eu manifestei a revelação deste Santo Manifesto para um servo que era até então incrédulo e iletrado nos Meus mistérios; e Eu expandi a sua mente para a sapiência moderada do incognoscível; dei-lhe um Livro Lustroso e sem incoerências, exortando os seres humanos à devoção absolutamente reta da Minha Religião. Uma Revelação Lúcida que corrobora com as Proclamações, as Exposições, as Recitações, os Sermões, os Louvores e as Instruções.
236.         Tais são os exemplos luminosos de orientação e de exortação para os virtuosos, os contritos, os íntegros e os judiciosos.
237.         Ó devotos, escutai a Minha Voz e precavei-vos do Inferno, cujo combustível das chamas eternas serão os homens e os gênios; o qual será guardado por anjos inflexíveis, que jamais desobedecerão às Minhas ordens, mas executarão tudo quanto Eu lhes impor;
238.         E combateis com intrepidez os infidos e as infidas, e sejam inflexíveis para com eles – no que concerne à orientação –, pois as suas moradas serão o tormento; e que nefasta morada.
239.         Dize: Ó devotos, jamais seguíeis os exemplos do povo idólatra e depravado; os bajuladores, os detratores, os desmentidores, os escarnecedores, os mexeriqueiros, os fofoqueiros, os transgressores, os intolerantes, os grosseiros e os indiscretos;
240.         Dize: Estes que tripudiam da admoestação e que renegam a orientação, pois são incrédulos e idólatras; e jamais comungarão com o Senhor, o vosso Deus;
241.         Dize: Pois o vosso Deus é o Puro, o Imaculado e o Intocável; e somente os virtuosos e os contritos comungarão com Ele.
242.         Por acaso, considerarei os submissos, tal como os idólatras?
243.         O que há convosco? Como julgais assim? Não meditais?
244.         Ou tens, porventura, parceiros junto à Mim? Que os apresentem, se estiverem certos.
245.         Qual! Nunca apresentarão nada semelhante à Mim; pois Eu sou o Único; o Absoluto.
246.         E, no Meu Dia, seus olhares serão de humilhados, cobertos de desonras e de ignomínias, porque foram convocados à Religião verdadeira enquanto podiam e se recusaram;
247.         E dizem: Estou à sombra da cruz;
248.         E dizem: O sangue de Jesus tem poder;
249.         E dizem: Sou um dos eleitos de Cristo;
250.         E dizem: Cristo, meu senhor e salvador;
251.         E dizem: Eis aqui o meu crucifixo, fonte de salvação;
252.         Porque são usurpadores idolátricos; e quão tolas são as ilusões dos idólatras. Repara, ó Manifestante, como os idólatras proclamam as suas idolatrias com uma arrogância mundana bem característica e peculiar, guinchando, atrevidos, como suínos. São blasfemos aqueles que proclamam: Deus morreu na cruz; e são blasfemos os que fazem o sinal da cruz ao se recordarem do Meu Nome, porquanto vivem em ilusões satânicas. Não é certo, que a pretensa crucificação de Jesus, é a base para a nefasta idolatria dos depravados?
253.         Dize: Ó incrédulo, invocai a sapiência do Senhor e descrevei a crucificação de Jesus, se fordes dos verazes;
254.         Dize: Ou és do partido dos transgressores, que renegam a munificência de Deus?
255.         Dize: Ou és do partido dos perversos, que se assoberbam dos Seus Mensageiros?
256.         Dize: Sabei que a graça está tão somente nas Mãos de Deus, e Ele dá a quem Lhe apraz.
257.         Qual! Nunca descreverão a crucificação de Jesus, o filho de Maria, ó Manifestante, pois são uns mentirosos e o Meu servo honorável foi preservado da morte.
258.         E quando Jesus disse que o sábado pertencia ao emissário da devoção, não quis, por certo, dizer que pertencia exclusivamente a ele, mas que pertencia a todos os submissos; para a devoção absoluta ao Senhor, o teu Deus;
259.         Pois a única coisa que Me apraz é a justiça e a conduta virtuosa dos seres humanos.
260.         Mas os perversos acorreram para apedrejá-lo;
261.         E ele disse-Me: Senhor meu, Senhor meu, eu estou vencido. Preserva-me dos malfeitores.
262.         E Eu ceguei as vistas dos réprobos e ascendi Jesus até o Meu Trono;
263.         Pois isto é demasiadamente fácil para Mim.
264.         Duvidais, por acaso, do Meu auxílio?
265.         Recorda-te, então, ó Manifestante, do profeta Elias, que ao ser perseguido pelos inimigos da Sublime Causa, invocou o Meu amparo e o Meu socorro; e Eu fiz descer sobre os incrédulos uma chuva aniquiladora de meteoritos flamejantes, que os dizimou, completamente. E o profeta Elias ascendeu até o Meu Trono; porque era um submisso íntegro, um ser humano virtuoso. Não seja, pois, dos desmentidores.
266.         E os incrédulos te dirão: Ora, Jesus ascendeu ao Trono de Deus? Como é possível, sendo ele um homem transgressor?
267.         Dize: Ó incrédulos, apresentai vós um homem mais submisso, virtuoso e justo que um Ungido de Deus, se fordes capazes.
268.         E quando Jesus, o filho de Maria, entrou triunfalmente na Cidade Sagrada, montando num jumentinho, cria de uma jumenta, acaso achas, ó humanos, que ele estava cercado apenas pelos seus súditos?
269.         Pois sabeis, ó incrédulos, que junto do Meu Ungido, adentraram à Cidade Sagrada uma esquadra invencível de anjos e uma armada imbatível de gênios, ambos preparados e armados para empreenderem o levante contra os Meus inimigos. Entretanto, Jesus abdicou da sua soberania neste mundo quando enxergou o Meu Rosto e disse-Me: Senhor meu, Senhor meu, todas as coisas já me são supérfluas e sem significado, junto de Tua Gloriosa Luz. Eis que os descaminhos dos Nossos desmentidores estão profundamente enraizados em seus corações; as trevas consumiram as suas consciências, da forma que não me compreendem; eles soberbamente se congregaram num abismo denso e a minha voz não penetra tão profundamente. Faz o que Te apraz, ó Senhor meu; absolve-os ou aniquila-os, de acordo com a Tua vontade, visto que és o Altíssimo, o Gloriosíssimo. E glorifica-me, assim como eu Te glorifico, ó meu Deus e Soberano.
270.         E Eu o glorifiquei: Abençoado seja Jesus, o filho de Maria, por toda a eternidade. Ele combateu as seduções e as tentações deste mundo; venceu as suas próprias limitações, porque Me amou acima de tudo.
271.         Ó judeus, vós não compreendeis a conduta amorosa que Jesus destinou à Mim, porquanto nunca, realmente, procuraste-Me com sinceridade no coração; e jamais enxergaste o Meu Rosto, assim como fez Jesus, o filho de Maria. Quão grande foi o seu amor junto ao vosso Senhor, que Eu jurei aos Meus servos: Escutai, ó servos Meus, os Sermões de Jesus verdadeiramente triunfarão no ciclo do aperfeiçoamento humano.
272.         Eis alguns relatos do incognoscível que te revelamos. Tu não estavas presente quando os infames, conspirantes, planejaram a morte de Jesus por apedrejamento; mas Nós os humilhamos, naquilo que articulavam, porque Nós somos o maior dos desarticuladores;
273.         Será, porventura, Jesus melhor do que tu, ó Manifestante?
274.         E tu Me dirás, temeroso e vacilante: Ó Senhor meu, o que sou eu perto do Teu Ungido, senão uma sombra?
275.         Dirás isto porque ainda és hesitante em Minha senda e porque és cria de um povo depravado. Eis a abjeta conduta dos idólatras.
276.         Porventura disse Jesus ser guardião das almas humanas? Ou disse Jesus que era melhor que os seus semelhantes?
277.         Qual! Jesus foi um submisso; jamais um depravado idólatra.
278.         Sabei que nenhum submisso ou submissa está acima dos seus semelhantes, muito menos estará abaixo;
279.         Sabei que cada submisso e cada submissa é insubstituível para o Senhor, o teu Deus; porquanto Me amam e Me temem.
280.         Salvos os ímpios e os iníquos; e salvos os incrédulos e os idólatras; porque estes não terão socorredor algum;
281.         E Eu logo os aproximarei da punição, e direi: Aí está o calvário que tanto idolatrais, entrai nele e provai o castigo dos transgressores;
282.         Onde deitarão sobre braseiros incandescentes e sufocarão à fumo negro e penetrante; pois nenhum amparo será dirigido aos partidários de Satã.
283.         E, no Meu Dia, Eu interrogarei o incrédulo, e direi: Vai, apresentai o teu defensor, já que és do partido dos idólatras;
284.         E o incrédulo Me dirá: Em nome de Jesus, o meu deus e salvador, dediquei a minha vida a Ti, ó Senhor meu.
285.         E Eu vos direi: Qual profeta em Meu Nome vos admoestou com tamanha insensatez?
286.         E o incrédulo Me dirá: Aprendi com o testamento romano, ó Senhor meu; em nome do deus-pai, do deus-filho e do deus-espírito. E que todas as coisas nos Céus e na Terra foram feitas em atenção ao nome de Jesus.
287.         E Eu vos direi: Ó incrédulo, Eu não agraciei a tua raça com as Recitações, com as Exposições e com as Proclamações da linhagem de Ismael e da linhagem de Suá, admoestando-te da ignomínia e da incúria? Por que renegastes a Minha Graça? Não raciocinais? Eu sou o único e legítimo Herdeiro da Terra; o Salvador, o Preservador.
288.         E o incrédulo Me dirá: Ó Senhor meu, não chegou tal admoestação aos meus ouvidos, embora eu tenha ouvido falar sobre a Tua Unicidade, não acreditei. Fui desviado pelos impostores de meu tempo e pelos hipócritas adoradores da cruz, com a trindade da Tua Natureza; perdoa-me, pois.
289.         E Eu vos direi: Nenhuma escusa será aceita hoje, ó humano. Foste desviado pela tua própria negligência, na busca por Minha senda; aceitaste o que te era mais fácil, quando a busca pelo Meu Rosto é sinuosa e tortuosa. Sabei que a Minha Luz será a única Luz a brilhar no Meu Juízo, mesmo que a isto desgostem os idólatras.
290.         E o incrédulo Me dirá: Ó Senhor meu, fui admoestado que Jesus é a chave para todas as coisas.
291.         E Eu vos direi: Ó incrédulo, como julgais assim? Porventura, algum profeta Meu te admoestou com tamanha loucura? Qual! És do partido dos idólatras. E seguistes os ensinamentos dos depravados por livre e espontânea escolha, renegando a Minha graça e renunciando a Minha remissão. Sabei que Eu sou a Chave para todas as coisas, e fora de Mim tudo é extravio e ilusão.
292.         Eis aqui o registro com os cômputos das tuas transgressões, ó usurpador maldito; avaliai e dizei se Eu estou sendo injusto contigo;
293.         E eis aí o fogo abrasador; adentrai nele e provai a Minha Ira; pois és dos renegadores.
294.         Tal será o castigo dos desmentidores, ó Manifestante, pois Eu não ampararei os inimigos dos Meus sinais.
295.         Ai dos renegadores e dos desmentidores. Não lhes chegaram admoestações da Minha parte sem que as negassem e as combatessem;
296.         Dei-vos, ó humanos, as Revelações e os Livros Indubitáveis, gradativamente, de época em época, corroborantes com a Minha Unicidade; do qual, toda a Lei se resume em amar-Me acima de todas as coisas;
297.         Entretanto, a que vil preço se venderam os incrédulos, renegando o que Eu lhes havia manifestado;
298.         Assim, atraíram sobre si maldição após maldição; porquanto os idólatras e os incrédulos sofrerão, senão, um castigo afrontoso.
299.         E eles te dirão: Ora, terá por acaso Deus despertado um Mensageiro entre nós? Qual! Não passa de heresia.
300.         Porque são, no fundo, incrédulos e porquanto esperam pelo sobrenatural;
301.         E porque são, verdadeiramente, símios desprezíveis e suínos hipócritas.
302.         Dize: Ó humanos, eu sou apenas um admoestador elucidado pela graça do meu Senhor.
303.         Dize: Ó humanos, eu não sou um alvissareiro por vontade própria, mas pela vontade d´Aquele que me remitiu.
304.         Dize: Ó humanos, eu não sou guardião vosso, pois a guarda de tudo quanto existe no Universo pertencem ao Senhor, o meu Deus;
305.         Dize: D´Ele é a soberania sobre todas as coisas;
306.         Dize: Se aceitai a admoestação, fazeis em benefício próprio; entretanto, se negais a Luz da Unicidade, abjetas em prejuízo de si mesmo;
307.         Dize: E sabeis, ó insensatos, que os desmentidores dos sinais de Deus sofrerão um doloroso castigo.
308.         Porém, sobre os Meus devotos, a Minha bênção será derramada como uma refrescante chuva de verão, que os preservará do mormaço;
309.         Pois esta é a Minha promessa para os perseverantes.
310.         Ó humanos, aceitai a Minha admoestação e praticai a devoção pura, a submissão absoluta à Mim;
311.         Porque benditos serão aqueles que se voltarem contritos para a senda da Minha remissão;
312.         E abençoados serão os virtuosos e os benfeitores;
313.         Porquanto estes, verdadeiramente, herdarão a Minha promessa.
314.         E eles te dirão: Por certo, Deus é o Misericordioso e jamais nos punirá com o fogo por nossas idolatrias a terceiros.
315.         Porque, no fundo, duvidam do Meu castigo.
316.         Dize: Olhai para o passado de tua raça, ó desmentidor, e tentai enumerar quantos povos ou quantas nações o Senhor, o teu Deus, já aniquilou;
317.         Dize: Eis aí a prova do castigo e do decreto infalível;
318.         Dize: Entretanto, sabei, ó incrédulos, que a punição da outra vida será ainda mais calamitosa.
319.         Ó humanos, Eu não vos disse através dos Livros Indubitáveis, que Eu sou o Uno, o Absoluto?
320.         Como então criastes um ídolo humano para adoração, depositando as vossas esperanças nesta satânica ideologia? Como apurais assim? Não meditais?
321.         Não serei Eu, suficiente para os Meus servos?
322.         Sabei que os idólatras, no Dia da Minha Vingança, sofrerão um severíssimo castigo.
323.         E disse Jesus, o filho de Maria: Ó Senhor meu, perseverarei em Tua senda com o Teu beneplácito, pois eu almejo ser um dos virtuosos;
324.         E Jesus, através da Minha graça; curou os doentes, alimentou os famintos, auxiliou as viúvas, amparou os órfãos e, invocando o Meu nome, reanimou os mortos; pois era o mais íntegro dos devotos.
325.         Mas os cristãos, seus seguidores, dizem: Estou no tempo da graça e perseverei na senda do Senhor;
326.         E Eu vos inquirireis: Onde está tal graça e onde perseverastes, ó hipócritas? Olhai as vossas voltas;
327.         Não há mães chorando pelas opressões que são sujeitas os seus filhos? Não há famintos rogando por um prato de comida enquanto segues abastados? Não há órfãos negligenciados e esquecidos, sem perspectivas de futuro? Não há viúvas sendo exploradas para sobreviverem? Não há crianças sofrendo toda espécie de perversões e de depravações monstruosas? Onde estão as vossas perseveranças e onde está o que julgas ser o tempo de graça? O que fizestes pela Sublime Causa, para diminuir a falsidade do seio humano? Não segues vós a senda de Satã, contentando-vos com os vossos lucros e com os vossos luxos?
328.         Sabei que a ideologia romana da graça é perversa; porquanto renega os Meus Estatutos. E aqueles que se congregarem no partido de Satã, jamais perseverarão em Minha senda, pois Eu não agraciarei os profanos.
329.         E dizem: Eis a minha igreja de pedra, onde estão Deus, Jesus e Maria.
330.         Dize: Eu sou o devocionário de Deus, e Ele me é suficiente. Apartai-vos com as vossas idolatrias, ó incrédulos.
331.         Ó Manifestante, o exemplo do idólatra é semelhante à de uma mula carregada com livros; porquanto embora transporte uma carga de sabedoria e lucidez, jamais deixará de ser uma mula;
332.         E fecham os olhos quando lhes são manifestados os sinais da Unicidade de Deus; e tapam os ouvidos quando são proclamados os milagres da Sublime Causa;
333.         Porquanto são idólatras depravados.
334.         Acaso acham os seres humanos e os gênios, que Eu aceitarei cismas em Minha Religião?
335.         E o que é a Minha Religião, senão a devoção absoluta à Mim?
336.         Sabei que tudo que for além disto, servirá à Satã.
337.         Eis que a renovação se aproxima, ó Manifestante;
338.         Eis que Eu decidir guerrear o último grande ídolo dos depravados;
339.         Os idólatras, serão, inevitavelmente, derrotados;
340.         E, na outra vida, herdarão ambos, a calamidade eterna!

Nenhum comentário:

Postar um comentário